Quem nunca?

Do nada, ela foi embora. A vizinhança, os amigos, ficaram chocados. Largou tudo: filhos, marido, cachorros, gatos, uma casa grande, uma vida boa. Levou umas roupinhas surradas, o notebook, uns livros, dois pares de sapato.  Na rodoviária, escolheu aleatoriamente um guichê e comprou passagem para o nada. Destino? Esquecer-se de si mesma. Dissolver-se entre rostos desconhecidos. Foi pegando um ônibus depois do outro até se afundar irrecuperavelmente no interior de si mesma: outro planeta, onde tornou-se alienígena. Uma senhora estranha sem passado, sem ninguém, sem projeto de vida. Alugou um quarto simples, numa pousada simples, sem TV ou internet. Então, sentou-se na cama e sentiu o abraço aveludado do vazio. Podia ser tudo já. Podia amar quantos quisesse. Podia dançar nua a noite na beira do rio. Podia gastar o dia inteiro escrevendo um haikai no chão de terra pra ninguém ler. Podia tomar um porre homérico e beijar a boca de outra mulher e nunca mais revê-la.  Podia gritar e gritar e gritar até ficar rouca, um grito visceral, sem palavras,  de bicho. E depois de tudo, podia dormir exausta na confortável ausência de rótulos, expectativas, julgamentos. Não precisava mais pentear os cabelos nem esperar nada. Nem a morte. Estava livre. Suspirou profundo e registrou em cada célula o poder  gigantesco daquele sentimento. E guardada em si a possibilidade da fuga, voltou para casa. Todos a receberam mortificados de perplexidade, mas não ousaram dizer nada a ela. Também estavam transformados pelo impossível escape.   Fingiram uns para os outros que nada havia acontecido. Ela estava de volta e era bom. Nunca mais partiu. Mas, às vezes, lançava através da janela um olhar saudoso de infinito. 
*
*
*

Comentários

  1. Quando me deito pela tardinha e fico olhando a serra d e longe, me sinto exato assim:Numa viagem....boa, porque tem volta, sem ela, seria uma louca alienígena...beijoes querida, texto maravilhoso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada minha querida parceira de delírios. Sempre bom ter você aqui.

      Excluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Para o meu fantasma

Estranha Paz