Postagens

O Bólido e a Borboleta

Imagem
A seta incisiva, na placa verde, aponta São Paulo. Tentei encontrar companhia para a viagem de sete horas de carro, não foi possível: o universo havia escrito no livro que era a vez de viajar só. A estrada, e suas pistas deitadas na minha frente, não me levará a São Paulo. Sequer existe um carro, meu corpo está fundido à máquina. Viajo numa metáfora do meu destino e acelero... 160 quilômetros por hora no tapete de asfalto. A música bem alto e só a voz masculina do Waze vez ou outra me alertando sobre radares. Existe algo premonitório ali, algo a caminho que não é São Paulo. Enquanto o carro voa, eu me encolho devagar e me acomodo dentro de uma caverna interna. Escorrego cada vez mais sem lastros para dentro de mim, para o devir. Vou me desapegando da realidade e seu cheiro de passado. Já não me reconheço no que era. Uma borboleta cruza a rodovia atarantada e explode tola contra o meu parabrisa. Diáfana presença no curso do bólido que me leva a mim. E não tem chance contra a força do …

Amém

Imagem
Eu fui catequista. Tinha meus 12 anos. Ensinava a crianças menores o catecismo que eu mesma não conhecia muito bem. Ia sozinha à igreja, melhor quando ela estava vazia. O padre, os fiéis, a liturgia da missa, me incomodavam. Na igreja silenciosa sim, encontrava Deus. Sigo dispensando atravessadores e intérpretes entre mim e o divino. Pertenço a civilizações humanas arcaicas onde Deus estava em tudo o tempo todo. Deus era a água, a árvore, a pedra, o bicho. Então nasci misturada com Deus e não preciso de rituais para falar com ele, nem pontes. Deus é esta imensidão inexplicável aqui e agora, é o amor como guia, é minha união total com tudo que há. Dispensa rituais de conexão, cabines telefônicas de falar com Deus. Não marca comigo num local e horário da semana: está vinte e quatro horas online. Mas entendo os que se ajoelham no templo, os que juntam as palmas das mãos e rezam, os que cantam e dançam olhando para o céu, os que precisam de um pai na terra, menos metafísico, mais carne e…

O Céu dos Outros

Imagem
Dia chuvoso. Na cidade pequena, da igreja pequena, saem famílias, casais, crianças, jovens... É como se olhasse para um outro tempo. Não vivo mais nesse tempo. Não tenho mais esta relação com  Deus, família, casamento. Estou do outro lado da rua observando o sorriso desta gente que eu poderia chamar de conservadores. Não vou fazê-lo. Se usasse para medi-los a minha régua de hoje poderia ser seduzida a transformá-los em caretas, anacrônicos, superados, reacionários, antiquados... e seria até capaz de odiá-los com o tempo. Fixo minha atenção no sorriso da menina de saia e cabelos compridos. Ela me vê e sorri mais largo ainda: aquela aceitação ilimitada dos que ainda não se conhecem. Não trisco a mão na minha régua. Quero seguir amando todos eles com seus limites que para mim não fazem mais sentido. Porque estão felizes do outro lado da rua que talvez na verdade seja um abismo mas por cima do qual o sorriso da menina atravessa. Ela não sabe que sou cercada de pessoas muito diferentes: m…

Povinho de Piada

Imagem
Quando eu era criança, meu pai contava uma piada sobre o nosso país: São Pedro questionava Deus que havia sobrecarregado os Estados Unidos e o Japão com furacões, terremotos e tsunamis enquanto preservava um país gigante como o Brasil das catástrofes naturais. E ainda nos abarrotava de recursos minerais, vegetais, hídricos e lindas paisagens... Deus não era justo. Ao que o todo poderoso retrucava: você vai ver o povinho que vou colocar lá. 
E eu ria.
Demorou uns 40 anos pra que esta piada doesse em mim.  Em 2017, dói em mim a miserável apatia de quem se acostumou a ser povinho de piada. Esta submissão histórica que calçamos nos pés feito botas de cimento logo cedo, antes de sair de casa. Este aceite da mediocridade que une pobres e elite num só mantra: povinho. 
Uns cheios de grana, diplomas, cargos, poder e outros repisando diariamente a falta de tudo, marcados na testa feito gado com a mesma palavra que arde: povinho.
Foragidos em qualquer canto do planeta sempre delimitados pela or…

Chovem Canivetes

Imagem
Chovem canivetes lá fora. Extremistas de toda cor marcham nas ruas pavimentadas pelo medo. Frustrados cospem sua agressividade na cara dos desatentos. E não são mais estranhos, são familiares e ex-amigos. Os líderes estão extintos e os superficiais assumiram o comando dos países, das empresas. O vale tudo saltou das trevas e entendemos que ele esteve o tempo todo lá, se poupando para uma nova oportunidade.  Os bons emudeceram exaustos. Se deixaram levar como cadáveres num rio. O mundo se contorce em convulsão comigo dentro. Talvez a contração de um parto que virá. Quem sabe um espelho vital para a mudança verdadeira. Ou apenas o fim, o apocalipse, o dilúvio definitivo. Chovem canivetes lá fora e preciso sair.

Família

Imagem
Deus me livre do seu radicalismo surdo, irmão
Do seu radicalismo aleijado que só tem boca

Deus me livre da sua incapacidade de entender que toda verdade contem erros
E abraçar os erros e fazer deles a ponte do futuro com o diferente

Deus me livre do seu conforto de empapelar a casa com suas crenças
E atirar nas diferenças que se aproximam do muro

Deus me livre do seu território estéril que queima os pés dos estrangeiros
Deus me livre do seu certo rígido, perfeito, intocável
Deus me livre da sua felicidade onipotente, seu castelo ilusório

E Deus me ajude porque você não é mais
o inimigo... você é meu irmão.

Pasta Rascunhos

Imagem