Pular para o conteúdo principal

Honestamente, amigos

Eu aprendi esfolando os joelhos nas calçadas que para crescer é preciso olhar firmemente para o escuro. No começo o que vemos são nossos próprios fantasmas, com o tempo a vista se acostuma e podemos enxergar a nossa verdadeira alma. Ela não é branca, impoluta, ela não é correta, ela não é boa: porque ela abraçou cada cena da nossa história, até aquela onde furtamos um livro numa livraria chique. Não é poesia: eu já roubei um livro quando jovem. Não tinha grana para comprar e era um livro, o que torna o roubo meio romântico, mas não acho que deveria ter feito. Posso suportar o fato de que errei e não autorizo ninguém a me agredir por isso. Então, quero falar brevemente sobre nosso momento político, porque sempre fui um ser político e participei ativamente deste jogo, inclusive como publicitária. Sim, existia um jogo de poder e o jogamos: uns em nome da ganância, uns em nome de um ideal, uns em nome de uma extrema vaidade. E se erramos, e se provarem que erramos, devemos pagar. Julgar um erro pode ter um viés imensamente subjetivo, para isto combinamos regras e escrevemos num livro chamado Constituição. Você discorda delas? Problema seu. Tire a bunda da comodidade de estar certo e vá brigar para que a Constituição mude. Estou colocando meus heróis na fogueira, não preciso de heróis. Ao mesmo tempo estou acolhendo seus erros e procurando entender suas razões, não preciso de culpados.  Quero ir até o fundo e não vou me agarrar a nenhuma ilusão, por mais que doa, porque quero sair do poço, definitivamente. E denunciarei sua insensatez, sua intolerância, seu ódio, seu fanatismo, sua grosseria, sua imaturidade, com o amor de uma menina que um dia roubou um livro e que eu abracei e ajudei a crescer. Sem sair do seu lado. E isto, hoje, é um ato brutalmente político. 
*
*
*

Comentários

  1. Respostas
    1. Doloroso, Vera, mas ainda tenho esperança.

      Excluir
  2. Minha esperança está naquele que está sob minha responsabilidade de formação biopsicosocioespiritocultural. De nada adiantará a remoção daqueles de má índole se não formarmos e incluirmos os de boa. ✨

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo. Estamos competindo sobre quem é pior e esquecendo os bons.

      Excluir
  3. Cara amiga Tania, ao ler seu texto fiquei com as seguintes dúvidas: ela está com dúvidas sobre o que temos visto e ouvido nas gravações expostas, legal ou ilegalmente, nas mídias de todo o mundo? Ou será que foi capturada pelo discurso dos marqueteiros da Dilma, ao citar a constituição e concordando com o “NÃO VAI TER GOLPE”? Como já discordamos com relação aos movimentos dos políticos por várias vezes, sinto-me confortável para dar um pitátulo nas suas dúvidas.
    Acho que, não sei porque razão, não ponderou que suas convicções esbarariam no homo sapiens. Um animal corrupto e perverso por instinto.
    Como sabe, não tenho partido político e muito menos político de estimação.
    E posto isto, tenho liberdade para dizer o que sempre ouvimos dos nossos avós na nossa querida e amada Minas Gerais. “ a ocasião faz o ladrão”.
    E cada dia mais, infelizmente, este ditado popular fica mais evidente para mim.
    O Lula e sua trupe demorou mas se mostrou.
    E como boa psicóloga que é, sabe que, se quisermos conhecermos verdadeira uma pessoa é só dar poder para ela.
    E o Lula é isto aí, “escotro” nas suas falas e atitudes.
    Estou com vergonha de ser brasileiro por ter este bando de políticos sem nenhum escrúpulo dirigindo o destino de mais de 200 milhões de pessoas. Sai uma gang e entra outra.
    Aproveito para mandar um beijos para o trio. A minha dupla está no Canadá a 2 anos e provavelmente irão continuar seus estudos na Dinamarca.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nelson querido, concordo que sai uma gangue entra outra. Se houver legalidade no impeachment que se cumpra. Se é que vai existir um congresso de pé até lá depois da Odebrecht. Obrigada pelo carinho!

      Excluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *

O fim da geração jeitinho

É difícil criticar um quadro estando dentro dele. Mas, vamos lá: eu pertenço à geração jeitinho. A uma das muitas gerações jeitinho. Fui paulatinamente estragada por um excesso aprendido de condescendência. Tenho amigos médicos, dentistas, motoristas de ônibus, publicitários, atores... nascidos e criados na cultura do jeitinho. Crescidos na catequese implacável do jeito correto de fazer as coisas, mas ouvindo, lá no fundo, o canto da sereia do jeitinho. Em caso de deslize extremo, complexo, ele estaria lá, sempre à mão e eu sempre soube: o jeitinho. Pra tudo existe um: eu me tranquilizava. O “não” é um troço elástico, manipulável. Depende de quem eu sou, quem eu conheço, da minha patente, de quanto eu tenho, do meu cargo. Sou da geração que endossa privilégios, focada em me tornar um dos privilegiados e não em acabar com eles. Tentando um emprego público para me acomodar, não para servir ao público. Olhando o serviço público com a lente distorcida do privilégio. O salário caiu na con…