A mulher que salva e come bichos

O ofício de escritora me fez amar a impertinência. Não quero pertencer a times, grupos religiosos, partidos ideológicos, correntes filosóficas. Quero flutuar no espaço sobre tudo e ser sugada temporariamente pela gravidade de cada tribo. Esta é minha condição para trazer de cada planeta personagens que amo incondicionalmente. Caminhasse carregada demais de certezas e mataria meus personagens no nascimento, incapaz de suportar suas contradições, suas sombras.


Este texto agora pode ser lido na íntegra no novo livro da Senhorita Safo. 
Disponível a partir de 12/03/2016 no site das melhores livrarias.


Comentários

  1. Eu não pertenço à gangue... hahahaha!!!!! E assim mesmo q pretendo continuar... sem tribo, sem certezas e em busca de aceitar as minhas contradições... com a sua inspiração, é ainda mais instigante!!!!

    ResponderExcluir
  2. E rindo de nós mesmas, o que é melhor.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Para o meu fantasma

Estranha Paz