Pular para o conteúdo principal

O Estupro - Parte II

(Continuação do post anterior)

Foto Marc Hoppe

Frio. A pele nua sentia frio. Cecília estava quase chegando à tona. As pálpebras batiam-se freneticamente determinadas a escancarar os olhos. Sentiu novamente os braços e pernas e num espasmo tentou mover-se. Inútil. Tinha os pulsos e tornozelos amarrados à cama de casal. Alguém se mexia rapidamente perto dela, a imagem foi tornando-se mais e mais nítida.  Começou a forçar as faixas que a prendiam à cama. Finalmente conseguiu arregalar os olhos vivos e acordados. Quase simultaneamente uma venda desceu sobre seu rosto e foi amarrada à sua nuca. Tudo ficou escuro outra vez.  Então, enlouqueceu. Como um peixe que se descobre fisgado, ela debateu-se convulsivamente. Gritos, choro, longos minutos do desespero antes da entrega.

Após esta brevíssima eternidade, o peixe entregou-se e deixou-se puxar pelo anzol como um cachorrinho de madame. Cecília, esgotada, largou o corpo sobre o lençol de cetim.  Soluços fundos vieram dos pulmões da menina que ela não era mais. Estava completamente entregue ao desconhecido. Então, não é a morte o desconhecido supremo? Um longo silêncio cresceu entre as paredes. Mas Cecília podia sentir o peso dos dois olhos debruçados sobre ela. 

O homem sentou-se na cama ao seu lado. Com os sentidos aguçados pelo medo, podia ouvir a respiração nervosa, rápida e forte ali, a menos de um metro do seu corpo. A mão dele espalmou-se quente abaixo do seu umbigo. A barriga contraiu-se reflexa. Mas a mão firme, como um peão de rodeio, seguiu ágil montada em seu ventre. Disparou frases a esmo. Pedidos, súplicas, palavras estúpidas desconexas...  A mão surda iniciou, então, o que seria um passeio sem fim pelos aclives e depressões, pelas fendas e pelos, dobras e texturas de Maria Cecília. Não era um tatear vulgar. Mais parecia um exercício de reconhecimento, tatear de cegos. O caminho da mão sobre a sua pele foi fechando as portas da razão até que ela não pudesse mais dizer nenhuma palavra.  Os dedos avançaram impunes para dentro do umbigo, seguiram para os grandes lábios, escorregaram por entre os pequenos e alisaram sutilmente as paredes da vulva, deixaram a vagina úmida e desceram pelas coxas, apertaram músculos tensos, contornaram, qual artesãos do barro, a circunferência do joelho, foram aos pequenos pés provocando cócegas... Voltaram lentos, pontas de dedos deslizando pelas pernas, vencendo a cintura, chegaram aos mamilos e sobre eles dançaram uma valsa circular. E quando a mão retirou-se e o suplício parecia ter fim, os mesmos trajetos foram feitos pela boca. 

O medo e o prazer duelaram gigantes no mar encapelado que era a pele de Maria Cecília. Um último esforço inútil de liberdade, novamente pulsos e tornozelos detidos. A boca do homem, cansada da depressão do umbigo, escalou-lhe as paredes, voltou para a barriga, arrastando a língua quente, desceu a montanha do abdome, afundou-se entre os fios negros e subiu para o botão proeminente, túrgido, eletrizado... então  Cecília desmaiou.

(CONTINUA...)

Comentários

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *

O fim da geração jeitinho

É difícil criticar um quadro estando dentro dele. Mas, vamos lá: eu pertenço à geração jeitinho. A uma das muitas gerações jeitinho. Fui paulatinamente estragada por um excesso aprendido de condescendência. Tenho amigos médicos, dentistas, motoristas de ônibus, publicitários, atores... nascidos e criados na cultura do jeitinho. Crescidos na catequese implacável do jeito correto de fazer as coisas, mas ouvindo, lá no fundo, o canto da sereia do jeitinho. Em caso de deslize extremo, complexo, ele estaria lá, sempre à mão e eu sempre soube: o jeitinho. Pra tudo existe um: eu me tranquilizava. O “não” é um troço elástico, manipulável. Depende de quem eu sou, quem eu conheço, da minha patente, de quanto eu tenho, do meu cargo. Sou da geração que endossa privilégios, focada em me tornar um dos privilegiados e não em acabar com eles. Tentando um emprego público para me acomodar, não para servir ao público. Olhando o serviço público com a lente distorcida do privilégio. O salário caiu na con…