Pular para o conteúdo principal

Até que te escolham

Magaly foi queimada viva. Não foi na Idade Média, foi ontem, em São Paulo. Ou foi na Idade Média ontem em São Paulo. Magaly cometeu a estupidez de ter apenas trinta reais em sua conta no banco. E irritou os bandidos com sua pobreza. Sentada num sofazinho simples, dentro de uma casinha simples, num bairro simples da Grande São Paulo, Magaly foi queimada viva pra aprender a ter dinheiro na conta quando o bandido vier. Enquanto Magaly gritava e se debatia e sua pele colava no plástico incandescente do sofá, há alguns quilômetros dali, eu tinha mais sorte. Um moleque enlouquecido pelo crack apenas levava meu celular sob o olhar crispado da minha filha de oito anos. Nem o moleque, nem os homens que queimaram Magaly, são mais gente. Vejo o moleque o tempo todo na janela do meu carro, a fala automática, o olhar morto, talvez uma arma na mão. Não há ninguém ali. Um zumbi de série americana que comeria o meu braço se seu objetivo fosse carne humana e não crack.  Magaly ficou encurralada em seu consultório de dentista com duas ou três hienas famintas, sem moral, caráter, compaixão, escrúpulo, alma. Uma delas demenor. E morreu lenta e dolorosamente para mostrar mais uma vez a cada um de nós o quanto temos sorte. As hienas mortas-vivas estão de um lado e outro. Elas desconhecem a compaixão pelo outro. Elas só enxergam sua própria fome de grana, de poder. Estamos entrincheirados entre os zumbis da segurança, os zumbis do judiciário, os do executivo, do legislativo e os zumbis do crime. E nenhum deles enxergou ou enxergará Magaly. Ela é só uma foto no jornal, um número na planilha, mais uma que queimou no fogo do inferno que vai engolindo as cidades do país. O governador do estado, com sua virilidade de chuchu, abana estatísticas numa folha de papel fria e burocrática que não o defende, que não me defende e que queimará junto com o nosso corpo. E eu compreendo mortificada que a mulher queimada viva é minha irmã, minha filha, sou eu, amanhã. Não tenho os seguranças e o carro blindado dos chefes políticos e suas famílias, e não tenho muita grana no banco para o bandido. Abatida, apopléxica, deito no fundo da trincheira e choro. Lá fora, dizem, o Brasil cresce a passos largos, cresce sem confrontar a imoralidade que carrega na essência, pisa no acelerador e avança sem encarar suas doenças crônicas, avança arrastando Magaly no chão depois de queimada viva. Não cresce, hipertrofia. E nós vamos catando cavaco junto, e tendo sorte, até que a hiena nos escolha.
*
*
*

Comentários

  1. texto bem escrito, mas trago um contraponto para discussão:
    "nenhum deles enxergou ou enxergará Magaly" mas também: nenhum de nós enxergou ou enxergará a vida podre e limiar em que viveram e vivem os bandidos, que ignoraram a vida humana assim como desde nascença ignoraram a deles. a água está batendo na bunda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho medo que seja pior do que isso. Tenho medo da imoralidade entranhada em nós todos, ricos, pobres... Há muitos povos que na miséria das guerras, das bombas geraram exemplos fantásticos de superação. Tenho medo...

      Excluir
    2. Nasci, cresci, estudei e vivi por 20 anos em uma favela... não esperei que me vissem para ser alguém. Fui ignorado mas não ignorei minhas possibilidades. Conheço um monte de favelados que vivem na dignidade, sem buscarem o que outros conquistaram. A água bate na bunda de todos. Então merecem o mesmo fogo que atiçam. Tudo tem uma explicação lógica até que nos tornamos parte da estatística. Para mim deveriam ser queimados em praça pública, com hora marcada. Assim poderiam servir de exemplo aos que desejarem queimar outras Magalys.


      Excluir
    3. Não posso dizer que não tenha vontade de revidar, que não estaria lá abanando a fogueira destes cabras.

      Excluir
  2. Discordo do comentário, pois um dos bandidos andava de Audi . E aí ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há jovens classe média assaltando, colocando fogo em índios. Há pobres na favela vivendo com extrema dignidade. E aí?

      Excluir
    2. E aí, que não é a pobreza a justificativa e sim a impunidade que gera toda essa onda de violencia e de que estamos a Deus dará . Quem cometeu esse crime é menor de idade e portanto ficará no máximo 3 anos preso. E ainda temos o governo Federal contra a mudança da maioridade.

      Excluir
  3. Muito bom texto, explica bem nossa desesperança diante do anonimato de nossa adolescência-zumbi, de nós mesmos diante da monstruosidade por nós criada e perpetrada sem que possamos sequer acalentar qualquer laivo de pequena mudança para melhor. Sorte aos que têm mais de R$ 30,00 na conta.!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obriga Juan. Vamos cuidar uns dos outros. É o que resta.

      Excluir
  4. Um excelente texto!

    A dor limita meu comentário e eu já ando tão desesperançosa que seria capaz de ficar divagando aqui por horas.

    Um beijo e como vc diz, vamos juntas!

    ResponderExcluir
  5. Revoltante... Mas mesmo assim poucos expressam a sua. Nunca saberemos o que é "ser escolhido" até que o sejamos. E viveremos com medo? Vamos nos privar das coisas que mais gostamos porque temos medo de acontecer o mesmo? A partir daí começa o nosso teste de vida...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafa, ouvi muita gente me dizer que fui assaltada porque estava com o vidro aberto. Fechar ou não o vidro? Aí começa o teste de vida.

      Excluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Para o meu fantasma

Adeus e obrigada. Foi bom girar nos seus braços nesta valsa inesperada. Obrigada pela Duquesa, pela Gata Borralheira, pelo pai e pelas crianças minhas que você nem sabe que me deu. Obrigada pelo espelho onde pude pentear a minha vaidade, pelo lugar de destaque na sua corte que pude chamar de pouco. Foi doloroso ver meu tirano no seu, mas foi como um parto. Dor valiosa de onde nasci novamente. Obrigada por tudo que você nem sabe que foi. Por ter ido tão fundo em mim sem nunca ter deixado a superfície das suas vontades. Por ter me notado. Por ter chamado meu nome. Por ter evitado o meu mergulho e me devolvido a mim. Coloco este agradecimento e este adeus numa garrafa e lanço no rio de nome universo. Incógnita, me despeço. Remeto este adeus agradecido à sua alma que há de me escutar numa dimensão distante. Adeus e obrigada pelas provocações de menino, por acordar o meu menino, por dançar comigo esta dança breve, desatenta, mas necessária. Verdadeiramente, obrigada, segue seu caminho. Ab…

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *