Pular para o conteúdo principal

Vermelho


Mãe, hoje, quando desci do avião, tinha as pernas e as calças sujas de sangue. Sua partida acordou meu útero e não houve absorvente que chegasse. Corri para o banheiro do aeroporto, e tive que trocar de roupa. Tudo ficou vermelho e vivo e forte... e eu achei bonito.  Mãe, eu aprendi que o universo enche nossos caminhos de sinais para quem quer ler. Meu útero pintou nas minhas pernas uma despedida vermelha pra você, em vez de cinza. Com o sangue que ele guardou pra receber uma vida, que não veio. Não é linda, mãe, esta mensagem do universo? Morrer e nascer juntos, misturados?  Hoje você se foi.  Em mim todas as bocas do feminino se abriram feito flor. A flor do útero pingou sangue. A flor do olho pingou mar. E apesar da dor, do sal, mãe, tudo ficou bem.  A pena, eu molhei no sangue e escrevi estas palavras, o sal, guardei pra temperar os dias que virão. Tem gente ingênua que acredita no fim, mãe. Pessoas de régua no bolso. Elas me acham biruta. Não entendem que estou mesmo falando com você numa ligação mil vezes mais nítida que as das nossas tacanhas operadoras de telefonia.  Eu faço cara de doida e rio escondida e deixo eles acharem que é verborreia de poeta.  Estou sangrando como nunca e estou viva como nunca. E você está mais tranquila do que antes vestida com um conjuntinho azul escuro, rindo pra mim de algum lugar que não preciso saber onde é.  Aqui a roupa ensanguentada segue para a máquina de lavar e eu volto pro meu cotidiano mais raso. Criando dias concretos, possíveis, até que acabe.
*
*
*

Comentários

  1. Delicado e profundo, Nanna!

    ResponderExcluir
  2. ai... não sei porquê seus textos me fazem chorar tanto... comecei a chorar no primeiro "mãe"... ai, ai, ai... tão profunda a dor da vida...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahaha. Ai Lu, tive de rir aqui. Vou pedir patrocíniod e uma fábrica de lenço. KKKKKKKKK

      Excluir
  3. sam avilez16/3/13 14:36

    estou precisada dos lenços ........................uahahahahahahahahahaha !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Mais um excelente texto, visceralmente feminino e espiritualmente profundo. Bj

    ResponderExcluir
  5. Estou em BH... amanhã volto para a Sampa de minha vida. Onde escolhi viver. Ao abrir o link do texto dessa SAFO NOSSA DE CADA DIA, já sabia que algo forte, belo e profundo iria ser lido. Não me enganei em nada. Apenas com o imprevisto de que as lágrimas foram muito mais do que eu gostaria. Tudo bem... assim posso justificar esse choro de dentro da alma, esse grito que pode me salvar. Amanhã vou embora e já posso chorar hoje. Chorar a saudade que sinto, que vai muito além da partida de BH. Essa saudade que me sacode o peito e que não gostaria que me vissem sentir. A partida me leva para perto de você, Safo, com todos es belezas que saem de você, e que florescem ao cair na terra preparada que é a mente de todos que te leem. Grato, mais uma vez. C. Neto

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Para o meu fantasma

Adeus e obrigada. Foi bom girar nos seus braços nesta valsa inesperada. Obrigada pela Duquesa, pela Gata Borralheira, pelo pai e pelas crianças minhas que você nem sabe que me deu. Obrigada pelo espelho onde pude pentear a minha vaidade, pelo lugar de destaque na sua corte que pude chamar de pouco. Foi doloroso ver meu tirano no seu, mas foi como um parto. Dor valiosa de onde nasci novamente. Obrigada por tudo que você nem sabe que foi. Por ter ido tão fundo em mim sem nunca ter deixado a superfície das suas vontades. Por ter me notado. Por ter chamado meu nome. Por ter evitado o meu mergulho e me devolvido a mim. Coloco este agradecimento e este adeus numa garrafa e lanço no rio de nome universo. Incógnita, me despeço. Remeto este adeus agradecido à sua alma que há de me escutar numa dimensão distante. Adeus e obrigada pelas provocações de menino, por acordar o meu menino, por dançar comigo esta dança breve, desatenta, mas necessária. Verdadeiramente, obrigada, segue seu caminho. Ab…

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *