Pular para o conteúdo principal

Dory

Gosto de desenhos animados. Gosto da esperteza de alguns criadores geniais em travestir de infância conteúdos tão profundos e significantes. Não falo de mensagens politicamente corretas em defesa do meio ambiente. Isso já virou cacoete. Falo de ir ao encontro da complexidade humana sem firulas, sem criancice, sem subestimar os pequenos com mensagens babonas e retardadas.  Tenho pensado muito em Dory, a peixinha azul do filme Procurando Nemo.  Vem à minha cabeça a cena em que ela e o peixe-palhaço foram engolidos pela baleia. Sem saída. Tantas vezes me sinto sem saída. Vejo Dory rolando divertida dentro da boca da baleia enquanto o peixe-palhaço resmunga sua tragédia, sua falta de sorte, seu fim eminente e se debate furioso contra a parede de dentes. Eu sou tantas vezes o peixe-palhaço e queria tanto ser Dory. Então as coisas pioram, claro. Não para Dory que está entregue ao desconhecido, mas para Marlin, o peixe-palhaço descrente. A água em que eles nadam começa baixar, vai sendo sugada para a garganta da baleia. Ela, óbvio, se entrega, ele, óbvio, se agarra a algo. Nós, descrentes, nos acostumamos às prisões, preferimos nos agarrar às grades conhecidas da cela, aterrorizados pelo novo.  Melhor ter o controle, mesmo na dor, do que soltar as mãos e deixar a água nos levar. Então Dory pede a Marlin que solte, que se deixe ser sugado garganta abaixo. Ele quer dela a certeza de que nada de mal irá acontecer.  Ela não tem. Apenas confia no fluxo da vida.  Marlin então se solta, pela primeira vez, aterrorizado, rumo à morte. A morte não está depois da entrega. A morte, para os descrentes, é a entrega. Então os peixinhos são esguichados para fora da baleia que os levou exatamente ao destino que buscavam. Eu, sentada na poltrona, invejo o roteirista do filme e sua peixinha azul. Me percebo agarrada à língua da baleia, tentando escalá-la de volta, resmungando contra o universo que quer me engolir, me triturar. Convencida intelectualmente da minha estupidez, fecho os olhos e me jogo. A queda é longa e sofrida. Se eu tivesse fé no universo, seria um voo.
*
*
*

Comentários

  1. Querida,
    Mergulhei nesse seu texto delicioso e saí leve e voando!
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Nannuska, sei bem como é essa queda... Mas tenho tentado voar ultimamente, e tem dado certo. Fly baby. Luv u.

    ResponderExcluir
  3. E a gente sempre aprende mais um pouquinho com estes "inocentes" desenhos...

    ResponderExcluir
  4. Bem reflexiva, genial. O meu desenho favorito é Ratatoille. Achei muito criativo um rato (bichinho tão perseguido) tornar-se um chefe. Parabéns! Bjo!!!

    ResponderExcluir
  5. Anônimo3/8/11 20:24

    Me diga S. Safo, quais são seus autores preferidos?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *

O fim da geração jeitinho

É difícil criticar um quadro estando dentro dele. Mas, vamos lá: eu pertenço à geração jeitinho. A uma das muitas gerações jeitinho. Fui paulatinamente estragada por um excesso aprendido de condescendência. Tenho amigos médicos, dentistas, motoristas de ônibus, publicitários, atores... nascidos e criados na cultura do jeitinho. Crescidos na catequese implacável do jeito correto de fazer as coisas, mas ouvindo, lá no fundo, o canto da sereia do jeitinho. Em caso de deslize extremo, complexo, ele estaria lá, sempre à mão e eu sempre soube: o jeitinho. Pra tudo existe um: eu me tranquilizava. O “não” é um troço elástico, manipulável. Depende de quem eu sou, quem eu conheço, da minha patente, de quanto eu tenho, do meu cargo. Sou da geração que endossa privilégios, focada em me tornar um dos privilegiados e não em acabar com eles. Tentando um emprego público para me acomodar, não para servir ao público. Olhando o serviço público com a lente distorcida do privilégio. O salário caiu na con…