Incomunicável

Abaixei a campainha do meu celular para estar mais presente e menos acessível...


Comentários

  1. Ei Nanna! Aqui é o Thiago Tenório, marido da Débora Gomez, seu ex-brevíssimo-assistente, rs. Enfim, tenho que parar de ficar me reapresentando.

    Cara, que genial essa crônica! Eu e Débora ficamos debatendo sobre isso aqui. Me marcou principalmente: estou ameaçando umas voltas pela rua sem ele, caminhadas até a padaria, incomunicável.

    Será que conseguiremos desintoxicar?

    Muito legal seu blog, virei mais vezes!

    Abração!

    ResponderExcluir
  2. Muito boa idéia esta de ficar "incomunicável"...
    Vou tentar algumas vezes.
    Já senti esta síndrome da incomunicabilidade quando das caminhadas na praia do Forte S.João, onde celular não "pega" - hahaha!
    Vou seguir sua sugestão...
    Vou ficar mais tempo sem Êle!
    Bjs do seu primo do Rio.

    ResponderExcluir
  3. É isso mesmo. É possível viver sem ele. E sem eletrônicos. Já testei por dias, ficar sem celular e sem internet (que adoro e sou viciada) e o mundo não desabou. Nem o profissional nem o emocional, ou o familiar. Precisamos reaprender a nos desapegar das coisas, perder mal hábito, sermos mais gentis e educados. Se rehabituar a pensar antes de responder. Mesmo que seja somente às vezes.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Ilusão

A flor e o Susto

Gritando na Porta