Pular para o conteúdo principal

Eu não sou Ela

É preciso esclarecer os fatos: eu não sou a Senhorita Safo. Leitores deste blog têm me confundido na rua com ela. Então lhe pedi um espaço para defender-me. Tenho estreitos vínculos com esta pessoa mas não posso responder aqui por suas opiniões. Sou uma vítima como vocês. Senhorita Safo me invade, assim como faz com suas caixas de email. E quando vejo, lá está mais um post. É um personagem dos muitos que carrego e que derramou para a realidade. Porque Senhorita Safo não cabe mais em sua gaveta. Onde eu me calo, ela quer berrar. Ficou impraticável nossa convivência sem alguma forma de separação. Dei a ela um blog para que ela não me desse um câncer. E quando ela escreve, me retiro. Leio depois assombrada suas explosões de sentimento... bons e maus. Sua explicitude. E penso que não serei responsabilizada pelo que ela fala. Meu nome sequer consta dos textos. Mas não é assim. Os leitores me olham enviesado: vieses de amor e de ódio que são para ela. E tenho medo. Conheço Senhorita Safo, ela não sabe o que é pudor. Por isso vim aqui adverti-los do perigo de ouvi-la. Eu tento não ouvi-la. Porque em minha vida média não cabem sua crueza, sua raiva, seus excessos. Estão avisados. Não usarei mais o espaço aqui pois terei que dar a ela, em troca, espaço em minha vida média, e vai que, nestes minutos dela, eu largue tudo, mande meu chefe à merda, mude de sexo, vá para a cama com o porteiro, mate um político... Ela deu uma risada aqui, dentro de mim. Canalha! Melhor parar, vai que...
*
*
*

Comentários

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Para o meu fantasma

Adeus e obrigada. Foi bom girar nos seus braços nesta valsa inesperada. Obrigada pela Duquesa, pela Gata Borralheira, pelo pai e pelas crianças minhas que você nem sabe que me deu. Obrigada pelo espelho onde pude pentear a minha vaidade, pelo lugar de destaque na sua corte que pude chamar de pouco. Foi doloroso ver meu tirano no seu, mas foi como um parto. Dor valiosa de onde nasci novamente. Obrigada por tudo que você nem sabe que foi. Por ter ido tão fundo em mim sem nunca ter deixado a superfície das suas vontades. Por ter me notado. Por ter chamado meu nome. Por ter evitado o meu mergulho e me devolvido a mim. Coloco este agradecimento e este adeus numa garrafa e lanço no rio de nome universo. Incógnita, me despeço. Remeto este adeus agradecido à sua alma que há de me escutar numa dimensão distante. Adeus e obrigada pelas provocações de menino, por acordar o meu menino, por dançar comigo esta dança breve, desatenta, mas necessária. Verdadeiramente, obrigada, segue seu caminho. Ab…

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *