Pular para o conteúdo principal

No Buraco

Nós fazemos arte no buraco. Escuro. No escuro da falta de grana, da falta de importância. No país escuro onde senhores Cartolas precisam lavar carro no posto de gasolina para não morrerem de fome. Nós somos seres estranhos do buraco. Fascinados por uma luzinha que vem lá de cima, cada vez mais distante do chão que afunda. Miragem luminosa chamada patrocínio daquela grande empresa que te pergunta se a sua peça tem ator famoso. No país escuro onde uma bunda bem cuidada te faz famoso. No escuro do raciocínio mercadológico onde tudo existe para vender e vender e vender mais e dar lucro. Onde o furor mercadológico transformou a arte numa puta chamada entretenimento que anda com seringas e mais seringas de morfina na bolsa oferecendo aos homens uns momentos de torpor e alienação dentro do curral.  Onde pensar é chato e ter é obrigatório. Onde almas vêm com preço e muitas estão, francamente, em liquidação. Nós fazemos arte no buraco dentro deste buraco. Quase invisíveis. Descartáveis como tudo que a superfície hiperativa abandona nos vãos do planeta. Insistentes, completamente desconectados do imperativo mercadológico que já decretou nossa inutilidade. Ofensivos, até, perante os eficientes, os especialistas em dar à máquina produtiva mais e mais e mais do ela quer. Insanas cigarras cantando até explodir.  Então venho hoje para seus olhos contar que nós, nesta estúpida obstinação, cumprimos um papel fundamental na vida do homem. Cuidamos da existência do buraco, da dúvida, do vazio, do inviável, do surpreendente, do avesso, do fundo, do inexplicável, do que não cabe no gráfico. Guardamos, como soldados, a poesia do macaco pelado que fez um rabisco inútil naquela parede da caverna. E não era bicho mais. Guardamos anonimamente a chave deste tesouro. Anonimamente. Não somos famosos, somos vidro sem rótulo. Guardamos este haikai frágil, com um amor mercadologicamente injustificável, no fundo deste buraco escuro, amparados somente pela fé romântica de que é nas covas que se põe pra dormir as sementes.
*
*
*

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *

O fim da geração jeitinho

É difícil criticar um quadro estando dentro dele. Mas, vamos lá: eu pertenço à geração jeitinho. A uma das muitas gerações jeitinho. Fui paulatinamente estragada por um excesso aprendido de condescendência. Tenho amigos médicos, dentistas, motoristas de ônibus, publicitários, atores... nascidos e criados na cultura do jeitinho. Crescidos na catequese implacável do jeito correto de fazer as coisas, mas ouvindo, lá no fundo, o canto da sereia do jeitinho. Em caso de deslize extremo, complexo, ele estaria lá, sempre à mão e eu sempre soube: o jeitinho. Pra tudo existe um: eu me tranquilizava. O “não” é um troço elástico, manipulável. Depende de quem eu sou, quem eu conheço, da minha patente, de quanto eu tenho, do meu cargo. Sou da geração que endossa privilégios, focada em me tornar um dos privilegiados e não em acabar com eles. Tentando um emprego público para me acomodar, não para servir ao público. Olhando o serviço público com a lente distorcida do privilégio. O salário caiu na con…