Eu Rio

Da minha família mineira herdei este humor que é mais forte que a morte. Não há tragédia, não há ódio, não há tirania nem dor que eles não joguem por terra com a espada do humor em punho. Vamos rir no enterro uns dos outros, está combinado. O riso, misturado com amor, vai destruindo, desqualificando a maldade, a imaturidade, a pequenez dos homens. Sou uma criatura afortunada. Recebi, na mala do nascimento, esta metralhadora de plantar afeto, dissolver rancores, preconceitos e mágoas. Aponto sem dó para um mundo árido de disputas e culpas e atiro. Atiro sem descanso minha graça. O riso brota liquido no meio das seriedades secas, hipertrofiadas, dissolvendo venenos cotidianos. E, às vezes me falta, quando me percebo densa e aferrada a desamores incontornáveis. Então corro para minha família mineira, me abasteço. Rio com eles quase todas as horas acordadas do dia. Como se recebesse cócegas na alma. Choro de rir e me curo. Somos afortunados. Que venha a infelicidade e seus tratores. Não estaremos em sua rota. Estaremos montados numa risada. Alada. No céu de uma alegria qualquer. 
*
*
*

Comentários

  1. Querida Safo,como nos vemos nesta risada...consigo rir até nas horas desafortunadas, me dá uma cócega na alma que caio na gargalhada!!!Rir é mto bom, alias, impossivel viver um dia sem boas gargalhadas....beijos, tudo lindoooo me vendo daqui uns 20 anos como esta ilustração adorável.
    Vera

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso, querida. Que não nos tirem nunca o sorriso. Saudades!

      Excluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Para o meu fantasma

Estranha Paz