Pular para o conteúdo principal

Sem pular da ponte

K. Polak
Hoje deixei o Facebook e fui até a cozinha conversar com Nádia sobre política. Minha parceira total no dia a dia, que acho estranho chamar de empregada, substantivo genérico que não define de fato a especialidade e o valor do que ela faz. Nádia que passa a maior parte da vida ao meu lado, misturada de forma tão silenciosa à intimidade da minha família. Nádia que é profissional dedicada e admirável e gosta do que faz. Nádia que vai nos receber em breve num churrasco em sua casa. Nádia que mora longe. E vem de uma realidade ainda distante demais. Hoje deixei as disputas conceituais do Facebook, tão penosas nos tempos de penumbra moral que vivemos, e, enquanto nossos trabalhos esperavam, conversamos.  Ela me contou das precariedades do SUS, do qual ela e os seus dependem, eu disse que o novo Ministro da Saúde falou em cortes, ela não entendeu “cortar o quê”. Falou que o Lula foi muito bom para o nordeste e mudou a vida de muita gente que ela conhece lá, mas a roubalheira na Petrobras ajudou a empurrar o país para o buraco, e ela não perdoa. Falamos de religião, e ela contou que a mãe deu cem reais em troca de uma benção do pastor. Recebeu uma bronca: Deus está em todo lugar e não pede dinheiro, mãe. Nádia é evangélica. Acha justo contribuir com a manutenção do templo que frequenta porque o amor de Deus a impulsiona, é uma troca, mas concorda que o mal se aproveita da fé para enriquecer, muitas vezes. Sobre o impeachment, o marido disse a ela que trocamos seis por meia dúzia, ao que retrucou: então vamos tirar estes de lá também. Concordei com o que ela disse. Me fez perguntas sobre Dilma, Temer, quis entender a bagunça. Tentei dar a minha versão sem catequizá-la, é difícil, mas me esforcei. E quando falei que precisava ir trabalhar, Nádia abriu um sorrisão e disse que era bom conversar comigo. Preciso criar um tempo para fazer mais isto. Agora está lá equilibrando dezenas de pratinhos que fazem funcionar a minha casa, enquanto posso escrever um pouco antes de pegar os meus próprios pratinhos. Penso que hoje não consigo ver luz nas instituições brasileiras, mas Nádia ganhou mais um brilho.  É um fato: iremos deixar no mundo crianças melhores do que nós. E, logo, vou tomar cerveja e comer churrasco  na casa dela enquanto nossos filhos brincam, e conversaremos mais sobre tudo, e será bom. Porque no quintal da Nádia, da Cida, da Tânia, da Cidália, da Vera, da Rosângela, da Inês, da Nega, da Alvina, da Neuzeni, da Bia, nos sentimos em casa. Esta, a ponte que confio para o futuro. Cada vez mais curta entre nossas casas. E não foi inventada pela hipocrisia repetitiva e estéril destes homens. 
*
*
*

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *

O fim da geração jeitinho

É difícil criticar um quadro estando dentro dele. Mas, vamos lá: eu pertenço à geração jeitinho. A uma das muitas gerações jeitinho. Fui paulatinamente estragada por um excesso aprendido de condescendência. Tenho amigos médicos, dentistas, motoristas de ônibus, publicitários, atores... nascidos e criados na cultura do jeitinho. Crescidos na catequese implacável do jeito correto de fazer as coisas, mas ouvindo, lá no fundo, o canto da sereia do jeitinho. Em caso de deslize extremo, complexo, ele estaria lá, sempre à mão e eu sempre soube: o jeitinho. Pra tudo existe um: eu me tranquilizava. O “não” é um troço elástico, manipulável. Depende de quem eu sou, quem eu conheço, da minha patente, de quanto eu tenho, do meu cargo. Sou da geração que endossa privilégios, focada em me tornar um dos privilegiados e não em acabar com eles. Tentando um emprego público para me acomodar, não para servir ao público. Olhando o serviço público com a lente distorcida do privilégio. O salário caiu na con…