Pular para o conteúdo principal

Sangue entre os dentes

O ser humano é um bicho. Dentro, carrega um bicho. Inventou-se legal. Divulgou-se um bom bicho. Não é. Bicho distorcido pela civilização, guarda em si uma agressividade desconectada, sublimada quando dá, aplicada quando transborda. E transborda muito. Haja civilização para segurar o bicho humano. Alguns andaram mais para longe da própria fera. Muitos não. Seguem protagonizando espetáculos de horror e violência mais chocantes que o bando de lobos no Animal Planet que estraçalha uma raposa e uiva em comemoração com as bocas sujas de sangue. Não podemos estraçalhar o síndico do prédio e dançar no salão de festas com a boca suja de sangue. Não pegaria bem. Acabou aquela farra de arrebentar a cabeça do humano da tribo vizinha com uma clava. Comê-lo então numa grande festa dos vencedores? Esconjuro! Isso foi há muito tempo, a gente não faz mais isto. Ou, na verdade, faz sim. A gente segue matando um montão de gente por causa de tênis, religião, opção sexual, sexo, cor, grana... Pra saciar nossas muitas fomes de bicho civilizado. Inventamos umas formas mais assépticas de matar: um míssil que pode ser lançado à distância de mil e quinhentos quilômetros do alvo. Matar com pedrada é decididamente pouco evoluído. Matar com joystick é joia. A gente nem precisa mais sujar a boca de sangue. O que talvez não seja tão bom. Deixamos de viver o prazer implícito na agressividade e precisamos nos contentar em ver as fotos dos mortos na internet o que não deixa o bicho humano realmente saciado.  Mas é o preço pela civilização: abrir mão de prazeres primitivos, sublimar, contar até três, evoluir. O problema é o prazerzinho mórbido que a gente segue carregando. Sabe aquela fila de carros passando bem devagar pelo acidente na estrada? Espichando os olhos sobre a tragédia? A doce sedução da morte violenta? Sabe a delícia de esmigalhar o crânio daquele canalha que você odeia com setenta e duas pauladas? Enfiar os dentes na jugular daquela hiena que lá vai ultrapassando todo mundo pelo acostamento? Ah, não sabe? Nem se fuçar bem no fundo da sua civilização? Pois eu sei. Eu sou um bicho. Apesar desta alma legal, compassiva, generosa, amorosa que segue montada nele. Sou o bicho e também sou ela, a Amazona. E temo pelo futuro da civilização. Porque talvez este bicho não sirva. E talvez esta alma não baste.
*
*
*

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *

O fim da geração jeitinho

É difícil criticar um quadro estando dentro dele. Mas, vamos lá: eu pertenço à geração jeitinho. A uma das muitas gerações jeitinho. Fui paulatinamente estragada por um excesso aprendido de condescendência. Tenho amigos médicos, dentistas, motoristas de ônibus, publicitários, atores... nascidos e criados na cultura do jeitinho. Crescidos na catequese implacável do jeito correto de fazer as coisas, mas ouvindo, lá no fundo, o canto da sereia do jeitinho. Em caso de deslize extremo, complexo, ele estaria lá, sempre à mão e eu sempre soube: o jeitinho. Pra tudo existe um: eu me tranquilizava. O “não” é um troço elástico, manipulável. Depende de quem eu sou, quem eu conheço, da minha patente, de quanto eu tenho, do meu cargo. Sou da geração que endossa privilégios, focada em me tornar um dos privilegiados e não em acabar com eles. Tentando um emprego público para me acomodar, não para servir ao público. Olhando o serviço público com a lente distorcida do privilégio. O salário caiu na con…