Pular para o conteúdo principal

O Bem Sem Glitter

O pior aconteceu: o ser humano aprendeu intelectualmente o valor do bem, do amor, é uma moeda, é uma máscara. Todo mundo ficou subitamente bom e legal. Todo mundo ficou sensível. Por que o ser humano já sacou: o sensível, o consciente, o iluminado, é o cara superior. Eu, por exemplo, sou superior pra caralho. Desculpem o palavrão, eu sei que alguns de vocês acham que me inferioriza usar palavrão, mas estou sendo honesta, transparente, e isto, colegas, também me faz superior. Permaneçam alguns minutos nas garras da minha intelectualidade e posso provar esta minha tese. E amanhã seremos todos autênticos e vamos falar muito palavrão e nos faremos novamente superiores. O discurso do bem é uma criação da mente. E minha mente faz milhares de flexões intelectuais por dia, ela é foda, eu tenho um cabeção Schwarzenegger. Sei todos os truques para parecer legal e uso, às vezes, um ou outro, e me percebo usando, e rio do meu blefe. Sou mais uma no meio da horda de gente legal. Aqui e ali brotam uns espontâneos. São legais mesmo, com pancadas esparsas de egoísmo, maldade, covardia. Não fazem grandes acrobacias para serem bons, não fazem curso, treinamento de bondade, não fazem discurso, são bons. Eu, destroçando os músculos do pescoço pra segurar meu cabeção, morro de inveja deles. Não existem ocupados em chicotear e adestrar sua sombra com banhos intermináveis de bondade intelectual. Vivem, os putos. Praticam bondade no escuro e sem alarde. Nem valorizam a bondade, não erguem templos. Isso pra eles é o natural. Do outro lado, a bondade industrializada e vendida no comércio varejista. Pior que discurso ensaiado, uma apropriação narcísica da bondade: eu acredito que sou bom pra ser foda. Um papo que está ficando exagerado e meloso. Ontem vi no palco de um evento corporativo um jovem CEO Global de uma multinacional que era bom. Naturalmente. Trabalha para a selva do lucro e do consumo.  Não é um monge. Não tem discurso de bondade. Limitou-se a existir verdadeiramente, mesmo estando diante de uma plateia de mil pessoas que ele deveria, estrategicamente, influenciar. E sentimos, eu e todo mundo lá embaixo: este é confiável, é de verdade, este é um cara bom. E eu não sei se ele está fazendo algo de grandioso pelo bem da humanidade. Sei, na verdade, que ele está envolvido num universo capitalista que meus amigos evoluídos do espírito abominam. Mas topar com aquele cara, me deu mais esperança nos seres humanos que toda a bibliografia do Dalai Lama. Entre o buraco negro dos escrotos detonadores do planeta e o planeta amor da consciência superior dos homens evoluídos, brilha o CEO Global como uma estrelinha possível. Imune aos refletores. Sem a redoma protetora das utopias. Fazendo o bem que ele pode no tiroteio cotidiano. Mais apagado que os demais. Mas pele de verdade: sem glitter.
*
*
*

Comentários

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Para o meu fantasma

Adeus e obrigada. Foi bom girar nos seus braços nesta valsa inesperada. Obrigada pela Duquesa, pela Gata Borralheira, pelo pai e pelas crianças minhas que você nem sabe que me deu. Obrigada pelo espelho onde pude pentear a minha vaidade, pelo lugar de destaque na sua corte que pude chamar de pouco. Foi doloroso ver meu tirano no seu, mas foi como um parto. Dor valiosa de onde nasci novamente. Obrigada por tudo que você nem sabe que foi. Por ter ido tão fundo em mim sem nunca ter deixado a superfície das suas vontades. Por ter me notado. Por ter chamado meu nome. Por ter evitado o meu mergulho e me devolvido a mim. Coloco este agradecimento e este adeus numa garrafa e lanço no rio de nome universo. Incógnita, me despeço. Remeto este adeus agradecido à sua alma que há de me escutar numa dimensão distante. Adeus e obrigada pelas provocações de menino, por acordar o meu menino, por dançar comigo esta dança breve, desatenta, mas necessária. Verdadeiramente, obrigada, segue seu caminho. Ab…

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *