Pular para o conteúdo principal

Ela é o cão

Diana é o cão. Está se lixando para a superioridade humana. Faz o que lhe dá na telha. Imune a adestramentos. Comandos de voz? Palhaçada. Diana é quase um Bull Terrier não fossem os genes daquela mãe vira-lata. Tem algum traço muito mas muito sutil de Border Collie. Nada ligado à capacidade de ir pastorear uma ovelha para seu dono. Aliás, as vontades do seu dono não estão entre as prioridades dela. Baixinha, atarracada, invocada, Diana é um torpedo constantemente apontado para a rua. Mal o portão oferece uma primeira fresta e o míssil preto e branco cruza por ela em velocidade estonteante, inibindo toda e qualquer capacidade de reação do bípede evoluído que atende pelo nome de Homo Sapiens. Já era. O bípede implume está agora obrigado a desistir de adentrar seu domicílio para se lançar ao encalço de Diana. Usar sua pouca agilidade animal e exibir-se para os vizinhos atrás do bólido de pernas curtas mas força muscular ímpar, capaz de protagonizar dribles e escapadas sobrenaturais. Após minutos exaustivos de baile, o bípede de cérebro altamente desenvolvido, no caso eu, começa a praguejar no meio da rua. Senta-se na calçada e enfia a cara entre as mãos, desolado. Diana toda empertigada, orelhas espetadas para as estrelas, flerta comigo de longe. Preocupa-se: quer ir mas não quer que eu sofra. Aproxima-se mais e mais, estaca, deita a cabecinha de lado abismada. Eu, quase não respiro, olho a cadela por entre os dedos das mãos enquanto o cérebro realiza cálculos fundamentais para o ataque: distância do objeto, impulso necessário, superfície de aderência. Diana estática, comovida pelo bicho humano largado na sarjeta. Respiro fundo para alimentar o derradeiro salto rumo ao seu pescoço. Fundo demais. Diana, premonitória, explode numa carreira preventiva para dentro do vazio da noite. Maldigo mil vezes minha fraqueza diante de filhotes fofinhos e enganadores e, aproveitando o rosto entre as mãos, choro feito besta.  
*
*
*

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *

O fim da geração jeitinho

É difícil criticar um quadro estando dentro dele. Mas, vamos lá: eu pertenço à geração jeitinho. A uma das muitas gerações jeitinho. Fui paulatinamente estragada por um excesso aprendido de condescendência. Tenho amigos médicos, dentistas, motoristas de ônibus, publicitários, atores... nascidos e criados na cultura do jeitinho. Crescidos na catequese implacável do jeito correto de fazer as coisas, mas ouvindo, lá no fundo, o canto da sereia do jeitinho. Em caso de deslize extremo, complexo, ele estaria lá, sempre à mão e eu sempre soube: o jeitinho. Pra tudo existe um: eu me tranquilizava. O “não” é um troço elástico, manipulável. Depende de quem eu sou, quem eu conheço, da minha patente, de quanto eu tenho, do meu cargo. Sou da geração que endossa privilégios, focada em me tornar um dos privilegiados e não em acabar com eles. Tentando um emprego público para me acomodar, não para servir ao público. Olhando o serviço público com a lente distorcida do privilégio. O salário caiu na con…