Pular para o conteúdo principal

A amaldiçoada

Gustave Doré
Sem um pingo de hesitação ela escolheu, entre milhões de machos no descampado, aquele que iria para sempre apontar-lhe as feiuras. Um tipo desvalorizante, avarento de elogios. Princesa amaldiçoada estava, sem saber, cumprindo os desígnios de uma fada má que não haviam convidado para o seu batizado. O macho dela havia de ser assim: pequenininho. E a segurança dele dependeria de que ela nunca, em hipótese nenhuma, se enfiasse num salto. Não vamos nos precipitar em concluir que ele era mal. Não era. Ele era o escolhido, garimpado, esculpido no inconsciente, o eleito capaz de executar à exaustão a complexa tarefa de apequená-la. Porque ela pelejaria por ser aceita, reconhecida e amada. Estava tudo escrito. Desdobrar-se-ia em tarefas domésticas, trabalhos free lancers, cuidaria dos filhos, sempre no limite da exaustão e, à noite, esperaria seu tapinha nas costas, sua sardinha. Mas tudo que ouviria, semimorta e pálida, derrubada sobre o travesseiro frio, seria algum comentário cruel sobre o fato dela andar muito descuidada de si e sem vaidade. No dia seguinte, se atiraria a novos sacrifícios, Joana D’arc montada em seu cavalo, nunca à sombra, sempre à frente do exército tomando porrada.  Pra de noite se lançar espontaneamente na fogueira das críticas do marido.  Ela com uma espada atravessada do peito às costas, rasgando as costelas, e ele falando do guardanapo que ela mais uma vez esquecera-se de trazer do supermercado. Um dia, abraçada ao pano de chão encardido na área de serviço, foi tomada por um estado delirante e restituída à data fatídica do seu batismo. Correu até a bruxa que jazia com as mãos crispadas sobre a criança, prestes a amaldiçoá-la. Puxou a megera pelo braço e encarou-a. O que viu, foi ela mesma num espelho: amarga, magoada e intolerante criança que escolheu vingar-se do abandono molestando a si própria através da eternidade. Era ela a bruxa e o macho e a vítima a expor em vitrines de luxo suas feridas. Aprisionada entre a miséria delirante e a grandeza delirante. Incapaz de apenas crescer e ser menor, menos importante em sua dor, mais comum na sua felicidade.  Então ela acordou deitada no azulejo frio com a área de serviço ao seu redor que não era mais um calabouço, com as querelas domésticas cotidianas que não eram mais um martírio, com o marido de olhos arregalados que não era mais um algoz. Meteu a mão entre as pernas e puxou um zíper que correu do ventre à nuca abrindo todo seu abdome. E desvestiu a dor de si. E largou a velha carcaça jogada no meio da área de serviço sem se importar nem um pouco com o que ele diria. O macho olhou estupefato a casca morta diante de si e dobrou-se sobre o próprio abdômen em busca de um zíper. E o desamor fez silêncio.

Comentários

  1. Muito profundo e tocante pra mim este texto, me fez lembrar de um sonho que tive: "onde eu tinha de puxar muita água do chão, água limpa, mas muita água... tanto que o rodo afundava nela e não dava conta do volume e o "escolhido" cobrava-me a secagem do local antes de que os convidados chegassem!" Louco, né? Entendo que a água seja esse sentimento descrito em seu texto, mágoa, disfarçada e engolida, mas as coisas são como são, quem as sente somos nós, quando nos despimos de certos padrões autoimpostos de sentir as situações, elas mudam, porque nós realmente mudamos, ousando olhar para nosso centro e abrir o zíper do estigma que permitimos que nos vestissem.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Para o meu fantasma

Adeus e obrigada. Foi bom girar nos seus braços nesta valsa inesperada. Obrigada pela Duquesa, pela Gata Borralheira, pelo pai e pelas crianças minhas que você nem sabe que me deu. Obrigada pelo espelho onde pude pentear a minha vaidade, pelo lugar de destaque na sua corte que pude chamar de pouco. Foi doloroso ver meu tirano no seu, mas foi como um parto. Dor valiosa de onde nasci novamente. Obrigada por tudo que você nem sabe que foi. Por ter ido tão fundo em mim sem nunca ter deixado a superfície das suas vontades. Por ter me notado. Por ter chamado meu nome. Por ter evitado o meu mergulho e me devolvido a mim. Coloco este agradecimento e este adeus numa garrafa e lanço no rio de nome universo. Incógnita, me despeço. Remeto este adeus agradecido à sua alma que há de me escutar numa dimensão distante. Adeus e obrigada pelas provocações de menino, por acordar o meu menino, por dançar comigo esta dança breve, desatenta, mas necessária. Verdadeiramente, obrigada, segue seu caminho. Ab…

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *