Pular para o conteúdo principal

A Árvore Que Não Sei

Faz anos brigo com uma Árvore da Felicidade. Adubo, podo, mudo de vaso. Ela brota, se anima, solta uns galhinhos bordados de folhas verde esperança. Digo: agora vai. Passa uma semana, ela entristece. Os galhinhos olham para o chão, alguns resistem amuados, outros descambam a secar.


Este texto agora pode ser lido na íntegra no novo livro da Senhorita Safo. 
Disponível a partir de 12/03/2016 no site das melhores livrarias.


Comentários

  1. Exatamente assim acontece comigo....minha mãe tem o casal plantado o mesmo vaso, é a coisa mais linda, não sei pq comigo não dá certo, se descobrir a formula, passe pra nós
    bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida, acho que é sempre uma peleja, mas toda felicidade vale a pena. Vou colocar macho e fêmea juntas. Se der certo eu conto aqui. Obrigada pela visita,

      Excluir
  2. eu aprendi que para ter ela tem que se ganhar, num pode ser comprada, nem roubada, nem pego a muda. Ganhei uma muda e coloquei na água num vaso, até que ela criou uma raizinhas brancas e agora coloquei no vaso, Tá linda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A minha eu nem lembro como chegou Ivana. Já é uma senhora. Que bom que a sua Felicidade está linda. Obrigada por vir.

      Excluir
  3. Adorei a metáfora

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada. Venha sempre porque temos muitas.

      Excluir
  4. Vou te contar a "verdade" sobre as plantas, voce ja tem idade: Uma amiga plantou uma parreira de uva, tratou-a como uma princesa, regava adubava, adulava... A danada ficava lá, fraquinha esmirrada... Um dia veio um Bode e trassou a parreirinha. Minha amiga deu de ombros, ela não queria viver mesmo... Passados alguns dias a parreira cresceu viçosa e faceira! Moral da historia "Nada como um Bode que come bem!". Gracinhas à parte: é a luta pela sobrevivência, que faz o sapo pular. Marcia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei o bode! Acho que é isto! Vou comprar um bode!!! KKKKK

      Excluir
  5. Querida safo, já ouvi q a fêmea precisa do macho... o macho até se desenvolve bem sem a fêmea, já a fêmea... eu tenho uma... macho... eu e o meu (macho) achamos ela na rua... largada... talvez por alguma mulher traída q decidiu se livrar do presente recebido pelo algoz, já q não era capaz de se livrar do macho traidor... recolhemos a pobre planta abandonada e cuidamos dele, e ele se desenvolveu bem. Cono nunca lhe arranjamos uma fêmea, as marias sem vergonha, q se espalha sem igual pelo jardim, se jogou toda pra cima dele, e ficaram felizes pra sempre... eu lhe diria pra q nao jogasse a sua femea num canto do jardim... coloque-a junto do macho q ela há de "florescer"...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Passando mal de rir dos eu macho! Acho meio clichê mas vou colocar as duas juntas. Ai essas fêmeas me cansaaaam! KKKK

      Excluir
  6. Sempre tive uma ligação com a minha árvore da felicidade. No alto dos meus 23 anos, quando fui morar só, a pequena e mal cuidada estava abandonada na varanda do 11º andar. A moradora antiga deixou na mudança. Acolhi. E fui cuidando, como se cada broto, que vingasse, fosse uma felicidade que se aproximava. Prenúncios de bons ventos. Visão romântica, e grande responsabilidade pra pequena planta, coitada! Mas quem mandou ter o nome "árvore da felicidade"? Logo, descobri também a Planta da Fortuna. Plantei. Na varanda, a Fortuna e a Felicidade plantadas. “Agora vai!” A fortuna dava em todo canto, safada! Já a felicidade.... Timidamente crescia. Um dia tb me disseram que pra ela se desenvolver precisava da planta-macho. E pela crendice popular, eu “não podia comprar, tinha que ganhar.” Pedi uma muda da planta- macho da felicidade para algumas pessoas. Demorou, e ninguém me deu. De vez em quando eu observava a planta-fêmea da felicidade sozinha, e mal desenvolvida. “ Ah, vou te que resolver isto!” Acabei furtando um pézinho de algum estabelecimento, acho que de uma casa de yoga... Foda-se, e pensei de novo: “Agora vai!” E foi, numa velocidade ainda mais ralentada que a fêmea, mas o macho pegou. Passado quase 10 anos, hoje ele tem metade do tamanho da fêmea. A fêmea já parece uma árvore... O macho vai chegando, ali, na altura. Ele tomou pouco espaço do grande vazo, talvez, tenha menos raízes que a fêmea, mas está lá. E já começaram a se confundir nas folhas, eles se enroscam. Bonito de ver! (E na maturidade das minhas raízes, pude perceber: quem me observou mesmo, todo este tempo, foi ela.)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lindinha! Tá booom! Tô indo lá resgatar a louca e plantar junto do macho!!! KKKK

      Excluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *

O fim da geração jeitinho

É difícil criticar um quadro estando dentro dele. Mas, vamos lá: eu pertenço à geração jeitinho. A uma das muitas gerações jeitinho. Fui paulatinamente estragada por um excesso aprendido de condescendência. Tenho amigos médicos, dentistas, motoristas de ônibus, publicitários, atores... nascidos e criados na cultura do jeitinho. Crescidos na catequese implacável do jeito correto de fazer as coisas, mas ouvindo, lá no fundo, o canto da sereia do jeitinho. Em caso de deslize extremo, complexo, ele estaria lá, sempre à mão e eu sempre soube: o jeitinho. Pra tudo existe um: eu me tranquilizava. O “não” é um troço elástico, manipulável. Depende de quem eu sou, quem eu conheço, da minha patente, de quanto eu tenho, do meu cargo. Sou da geração que endossa privilégios, focada em me tornar um dos privilegiados e não em acabar com eles. Tentando um emprego público para me acomodar, não para servir ao público. Olhando o serviço público com a lente distorcida do privilégio. O salário caiu na con…