Pular para o conteúdo principal

Boçal no Automático

Quase 50 anos e decidi ser radical. E não combina. Aos 50 todo mundo espera da gente um quantum de parcimônia. Sei lá, acho que foi o chaqualhão com a morte do meu pai, como um chute no pé da mesinha de centro da sala: o vasinho de cristal rodou, rodou e foi dar de cara no chão. Foda-se: nunca gostei daquele vasinho. Acordei querendo que gostem menos de mim, com tendências para vestir a máscara do inimigo. Uma vontade avassaladora de ser sincera. Sabendo que sinceridade é um troço que não cabe no modelinho século XXI. Somos falsos como um whisky paraguaio. Fazemos média o dia inteiro com o patrão, com o coleguinha de trabalho, com o público, com o porteiro do prédio, com o nosso grande amor. Aquele bosta que se acha o dono da verdade. A gente engole o sapo vestido de porco espinho pra não correr o risco de botar fim no casamento e ficar só. Vai que é pior. Nas empresas então, nunca fomos tão falsos. O chefe escroto, candidato a psicopata, grosseiro, chicoteador, sorri com o estandarte dos valores humanos da instituição em punho. O máximo que o sujeito conhece de humano é algum esquema fisiológico que viu numa aula de biologia do cursinho. Mas traz resultado, é da psicopatia, foca a meta e atropela as pessoas. Cercado de infelizes calados pela necessidade de emprego. Odiado, coletivamente, na surdina.  O amor que se lixe, virou palavra para vender sabonete. Ontem eu o perdoaria, o chefe escroto, eu o compreenderia, hoje já era: tornei-me uma cinquentona radical. E estes governos do meu país? Esta renovada mediocridade histórica. Esta baixa autoestima institucionalizada. Todo mundo rasgando o livro de sociologia que escreveu, a bandeira revolucionária que fez a mão, pra governar com os lobos. Porque sem os lobos, amigas ovelhas, você não governa. E com os lobos, você vira lobo, é homeostático. E somos todos massa de manobra: não estou falando da classe C anestesiada diante do jogo de futebol, da novela, estou falando de nós, intelectuais, acadêmicos, artistas, que nos achamos um ser diferenciado. Tudo que rola no jornal das oito no Brasil é obra nossa. Se procure um pouco nos bigodes do Sarney e você vai se achar. Concessões abomináveis que a Presidenta faz para permanecer no poder? Quantas você faz para manter seu status, seu salário, sua aliança no dedo? Qual o limite do corromper-se? O compromisso com a dignidade é um troço individual e não social. E é inarredável e contagioso. E às vezes pede que você seja radical, não coma a carne, não receba o dinheiro, não aceite o convite, não aproveite, não usufrua, não governe, não beba, não aperte a mão, fique só. Mas aaaaah que mulher chata. Quer saber, gente radical é chata. E condescendência pode muito bem ser o refúgio da covardia e da preguiça. E a propósito da paixão nacional pelo futebol, já que me tornei uma pessoa desagradável, queria dizer que não assistirei nenhum jogo da copa. E não será nada grandioso da minha parte porque futebol me interessa pouquíssimo. Mas recusarei ostensivamente os convites para ver os jogos como um micro ato rebelde diante do novo estupro dos já estuprados cotidianamente e já inertes e incapazes de sentir a dor da violência: os brasileiros. Porque o jogo todos nós já conhecíamos: iam roubar, todo mundo sabia, seria um absurdo, todo mundo sabia, é uma putaria, todo mundo tá sabendo, mas me passa a minha cerveja. Sim, estou chegando aos 50, faltam dois anos e meio, e estou me preparando para a velha inteira com ela mesma que pretendo ser. E tem a ver com o vasinho idiota que rolou da mesinha, e era só uma das centenas de coisas inúteis que carrego e reverencio em modo automático perpetuando minha boçalidade existencial cheia de condescendência. E tem a ver com a morte. Que depois de tantas oportunidades, ela não me surpreenda tão pequena. 
*
*
Um pouco sobre o preço que pagamos. E nada contra quem ama o futebol.
http://papelpop.com/2014/06/voce-vai-adorar-tudo-que-esse-apresentador-da-hbo-falou-sobre-a-fifa/
*

Comentários

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Para o meu fantasma

Adeus e obrigada. Foi bom girar nos seus braços nesta valsa inesperada. Obrigada pela Duquesa, pela Gata Borralheira, pelo pai e pelas crianças minhas que você nem sabe que me deu. Obrigada pelo espelho onde pude pentear a minha vaidade, pelo lugar de destaque na sua corte que pude chamar de pouco. Foi doloroso ver meu tirano no seu, mas foi como um parto. Dor valiosa de onde nasci novamente. Obrigada por tudo que você nem sabe que foi. Por ter ido tão fundo em mim sem nunca ter deixado a superfície das suas vontades. Por ter me notado. Por ter chamado meu nome. Por ter evitado o meu mergulho e me devolvido a mim. Coloco este agradecimento e este adeus numa garrafa e lanço no rio de nome universo. Incógnita, me despeço. Remeto este adeus agradecido à sua alma que há de me escutar numa dimensão distante. Adeus e obrigada pelas provocações de menino, por acordar o meu menino, por dançar comigo esta dança breve, desatenta, mas necessária. Verdadeiramente, obrigada, segue seu caminho. Ab…

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *