Pular para o conteúdo principal

O Estupro - Parte III

Foto Edgar Neumann
(continuação do post anterior)

No fundo do escuro da inconsciência havia uma porta imensa aberta dando para uma sala iluminada. Encostada no batente, Cecília via a pequena Maria Cecília. Lá dentro, debaixo da ducha de água do chuveiro, estava ele. A porta sempre esquecida aberta. O corpo ensaboado, dançando no meio da fumaça branca. As mãos deslizando sobre a espuma do corpo. Displicentemente o pai ensinava à filha os caminhos do desejo.

A penetração foi lenta e cuidadosa. Quando acordou, Cecília tinha o homem deitado sobre si, imóvel. Sentiu enterrado entre as suas pernas, vivo, quente, pulsando, o sexo dele. Suas barrigas encostadas respiravam num só ritmo. Um diafragma empurrava o outro que relaxava sem luta. O homem inerte, mudo, largado sobre seu corpo, preso a ela por um pedaço quente de carne.  Maria Cecília descobriu que nada podia incomodá-la mais do que aquilo que não entendia. Preferia a violência convencional do estupro ao desconhecido, inesperado. O homem continuava imóvel a frustrar lhe as expectativas. A barba dele fez cócegas sobre seu ombro. Num ato reflexo, levou a mão em direção ao pescoço e descobriu que não estava mais amarrada. O peso do homem era seu único empecilho. Ao notar que estava acordada, ele segurou-lhe os pulsos, mas sutilmente, sem força, só para lembrar quem estava no controle. A venda em seus olhos, úmida de choro, continuava firme. Diante disso, todos os outros olhos espalhados pelo corpo haviam saltado para fora. Cheiros, relevos, até o som da respiração daquele homem eram milimetricamente estudados por ela. Sabia que não vê-lo significava a última esperança de permanecer viva, mas lá do fundo vinha um comichão de curiosidade, de inquietude, desejo primitivo de encarar nosso predador.


A inércia do homem começou a irritá-la. Queria ao menos que tudo acabasse logo. Não estava acostumada a esperar, não tinha paciência com a vida, sempre andou na frente do relógio. Maria Cecília fazia, nunca esperava. Se fosse a morte, então que fosse logo. Tentou desvencilhar-se com violência. Surpreendido ele deixou escapar uma de suas mãos e ela pôde arranhar seu rosto. Conseguiu recuperar lhe o pulso, mas  todo o resto do corpo lutava para sair debaixo dele. O homem respondeu à todo aquele debater-se com um único movimento, repetitivo e vigoroso para dentro do corpo dela. Tentar sair dali só levava Maria Cecília a colaborar com o vai e vem que foi se instalando autoritariamente entre as suas pernas. Se movimento quis, então teve. As mãos dele não eram mais sutis, pareciam querer pregá-la ao colchão. A penetração quieta mudou-se em enterradas fundas, o silêncio virou som gutural, respiração cortada. O humano virou bicho.

(Continua)

Comentários

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Para o meu fantasma

Adeus e obrigada. Foi bom girar nos seus braços nesta valsa inesperada. Obrigada pela Duquesa, pela Gata Borralheira, pelo pai e pelas crianças minhas que você nem sabe que me deu. Obrigada pelo espelho onde pude pentear a minha vaidade, pelo lugar de destaque na sua corte que pude chamar de pouco. Foi doloroso ver meu tirano no seu, mas foi como um parto. Dor valiosa de onde nasci novamente. Obrigada por tudo que você nem sabe que foi. Por ter ido tão fundo em mim sem nunca ter deixado a superfície das suas vontades. Por ter me notado. Por ter chamado meu nome. Por ter evitado o meu mergulho e me devolvido a mim. Coloco este agradecimento e este adeus numa garrafa e lanço no rio de nome universo. Incógnita, me despeço. Remeto este adeus agradecido à sua alma que há de me escutar numa dimensão distante. Adeus e obrigada pelas provocações de menino, por acordar o meu menino, por dançar comigo esta dança breve, desatenta, mas necessária. Verdadeiramente, obrigada, segue seu caminho. Ab…

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *