Pular para o conteúdo principal

Artistas Inúteis

Eu nasci artista em casa proletária. Não nasci em estrada já asfaltada por parente.  Quando criança comecei a escrever crônicas na contramão do esperado, por necessidade da alma, sem expectativa, sem pra quê. Menina esquisita escondida no quartinho do porão enchendo cadernos de letrinhas enquanto o pai suava no volante de um caminhão...

Este texto agora pode ser lido na íntegra no novo livro da Senhorita Safo. 
Disponível a partir de 12/03/2016 no site das melhores livrarias.


Comentários

  1. Em primeiro lugar, muito obrigada por ter me visitado, também espero que a gente possa trocar letras. rs
    Em relação ao que escreveu, gostei muito! Tenho uma professora que sempre diz que vivemos numa época de decadência da arte, pois é impossível fazer um trabalho artístico com a linguagem quando se vive do que escreve. Uma vez ela até nos desafiou a encontrarmos algum artista contemporâneo que tenha algo de original. =/
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Lanna, eu escrevo aqui e para o teatro, para o cinema, e escrevo, escrevo, feito doida, sem saber onde vai dar. Vejo que você gosta de escrever. E mesmo não sendo fácil, torço para que você venha para esta chuva. Bjos

      Excluir
  2. Obrigada! Comecei uma vez um curso de roteiro cinematográfico, mas nem concluí. Aliás, nunca cheguei a escrever um roteiro de fato. rs Agora sou estudante de Letras.
    É pedir muito ou deixaria eu ler um roteiro que você tenha escrito? Se for possível, posso lhe enviar o meu e-mail verdadeiro (porque também tenho um falso, para a "Lanna") para o endereço que você deixou no meu blog?
    bj

    ResponderExcluir
  3. Claro! Manda o email e mando o roteiro. Beijoooo

    ResponderExcluir
  4. De chorar e de torar!!! Verdadeiro, doído, gostoso... Ah, não tenho palavras, pois elas estão todas nesse lindo texto!

    Beijos de quem te entende e adora!!!

    ResponderExcluir
  5. Amei te ler! Me vi em suas letras...
    Tomei a liberdade de compartilhar no meu face!
    Sou ceramista por amor...
    Beijo..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada MA. Cerâmica é um ritual maravilhoso, já vi uma vez. Com certeza é um espaço do sagrado. Beijo grande.

      Excluir
  6. E mesmo assim a gente ama ser artista, e sofre por este amor, mas ama incondicionalmente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um grande presente este amor, Rafael. Você que também veio com esta mala, saiba que ela será a única casa possível e é nosso dever respeitá-la e cuidá-la.

      Excluir
  7. Anônimo7/7/13 11:26

    Que possamos a cada amanhecer fazer essa oração verdadeira e no final, com toda a sinceridade proferirmos do coração um grandioso e consciente AMÉM!
    C.Neto

    ResponderExcluir
  8. Ninguém é profeta em sua terra e nenhum artista é famoso em seu tempo. Está é a regra. O resto é exceção ou farsa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai que cu Hebim! E ganhar dinheiro, também não rola? KKKKKK

      Excluir
  9. Estou adorando seus textos, Senhorita. Voltarei mais vezes. Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba, AJ! Só vi seu post agora. Venha sim. É um prazer!

      Excluir
  10. tb tenho um blog, fico muito feliz de ver que ainda existem pessoas que rodopiam em torno delas mesmas e se encontram la mesmo, nem que de ponta cabeca!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De ponta a cabeça irriga melhor o cérebro.KKKK. Obrigada por vir Mari.

      Excluir
  11. imagine! espero poder compratilhar experiencias....quando puder da uma lida no meu blog, acho que vc vai gostar! :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *

O fim da geração jeitinho

É difícil criticar um quadro estando dentro dele. Mas, vamos lá: eu pertenço à geração jeitinho. A uma das muitas gerações jeitinho. Fui paulatinamente estragada por um excesso aprendido de condescendência. Tenho amigos médicos, dentistas, motoristas de ônibus, publicitários, atores... nascidos e criados na cultura do jeitinho. Crescidos na catequese implacável do jeito correto de fazer as coisas, mas ouvindo, lá no fundo, o canto da sereia do jeitinho. Em caso de deslize extremo, complexo, ele estaria lá, sempre à mão e eu sempre soube: o jeitinho. Pra tudo existe um: eu me tranquilizava. O “não” é um troço elástico, manipulável. Depende de quem eu sou, quem eu conheço, da minha patente, de quanto eu tenho, do meu cargo. Sou da geração que endossa privilégios, focada em me tornar um dos privilegiados e não em acabar com eles. Tentando um emprego público para me acomodar, não para servir ao público. Olhando o serviço público com a lente distorcida do privilégio. O salário caiu na con…