Pular para o conteúdo principal

Não Amola Lao

O tempo é uma coisa criada, apontou Lao Tse. Dizer não tenho tempo é dizer não quero. Um tapa na minha cara. Eu crio tempo para coisas estúpidas. Entre um corredor e outro do supermercado, me arrasto feito um caramujo manco comparando etiquetas minúsculas de preço, analisando demoradamente os sachês de tempero, dispersa entre latas de molho de tomate, e, invariavelmente, compro algo que não preciso. Desconectada de mim, perco o carrinho com as compras e quando, a custo, alcanço o estacionamento, não sei mais onde estacionei o carro. Então vago novamente feito barata alienada atrás da vaga enquanto meu tempo vasa para o ralo. Escolhi ser a mulher do supermercado que não sou e transito pelo estabelecimento sangrando o tempo essencial para a outra que quero ser. Economizei umas cinco moedas e perdi o paraíso. Em casa, crio o tempo de organizar gavetas. Há algo de admirável numa gaveta organizada, quase artístico. Das gavetas, pulo para os CDs, que coloco em ordem alfabética. Dos CDs, salto feito acrobata para o armário da área de serviço de onde desencavo milhares de itens supérfluos que podem ser jogados fora. Uau! E, sobre minha cabeça, o sol malvado passa correndo e mergulha no horizonte levando o dia. Meus filhos chegam da escola. Fim. Posso dizer a todos porque não fiz nada daquilo que realmente queria o dia todo, que me faria bem, que me preencheria: porque não tive tempo. Senhoras e senhores, o espetáculo morreu na cortina fechada porque o ator principal não teve tempo e o monociclo está largado na serragem nos fundos do circo porque o palhaço não teve tempo e a tela ficou em branco porque o pobre Picasso, infelizmente, não teve tempo. E lá vem o Lao me amolar. O tempo é uma coisa criada, uma escolha, querida, assuma suas escolhas e não encha o saco quando o tempo acabar e você só tiver memórias do supermercado, das gavetas arrumadas, do engarrafamento, do escritório, das reuniões com o cliente, das rotinas que você validou e instituiu sem duvidar. Porque tempo há e muito, crie o seu. O que falta é coragem, é compromisso consigo, é amor. O tempo é relativo,  já disse o gênio com sua língua pra fora. No mesmo tempo cabe tudo e não cabe nada. E minha alma ecoa junto com Lao: quando o desejo abraça o tempo, o relógio se atira do prédio e nasce a eternidade. E eu mando a alma calar a boca que sou apenas mais uma mulher sem tempo, como tantas que conheço, e somos a maioria, crentes absolutas na ditadura dos ponteiros, e o Lao que se dane pois no fim triunfaremos, martirizadas, sofridas, sobre as malditas gavetas que teimam em se desorganizar.
*
*
*

Comentários

  1. Amiga!... são nestas circunstancias que prefiro pensar no tempo sob a ótica da física quântica através da teoria da Não Localidade, onde o tempo é não linear no domínio não local... resumidamente falando, sou todas minhas ações (passado, presente, futuro) acontecendo neste instante! Olha que maravilha sem perda de tempo! ;) Bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tori, eu também sou apaixonada pelo física quântica. Assisti "Quem Somos Nós" algumas vezes. Mas o cotidiano destrói minha física quântica. Rsrsrs.

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Nossa, que tapa na minha cara :)

    Beijo!

    ResponderExcluir
  4. Um momento de meu tempo que acho que é muito bom, produtivo, emotivo é quando leio o seu blog. Adoro, me faz pensar...
    Um abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Para o meu fantasma

Adeus e obrigada. Foi bom girar nos seus braços nesta valsa inesperada. Obrigada pela Duquesa, pela Gata Borralheira, pelo pai e pelas crianças minhas que você nem sabe que me deu. Obrigada pelo espelho onde pude pentear a minha vaidade, pelo lugar de destaque na sua corte que pude chamar de pouco. Foi doloroso ver meu tirano no seu, mas foi como um parto. Dor valiosa de onde nasci novamente. Obrigada por tudo que você nem sabe que foi. Por ter ido tão fundo em mim sem nunca ter deixado a superfície das suas vontades. Por ter me notado. Por ter chamado meu nome. Por ter evitado o meu mergulho e me devolvido a mim. Coloco este agradecimento e este adeus numa garrafa e lanço no rio de nome universo. Incógnita, me despeço. Remeto este adeus agradecido à sua alma que há de me escutar numa dimensão distante. Adeus e obrigada pelas provocações de menino, por acordar o meu menino, por dançar comigo esta dança breve, desatenta, mas necessária. Verdadeiramente, obrigada, segue seu caminho. Ab…

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *