Pular para o conteúdo principal

Safo

Procura-se o autor da imagem
O cursor pisca na página em branco. Espero, cheia de coisas pra fazer, que um texto baixe do infinito. E ainda há inocentes acreditando que crio. Acham que respondem para mim, para uma mulher de cabelos curtos pintados e rugas fundas ao lado da boca. Não acreditam que não seja eu arrancando o texto com as unhas deste teclado de plástico. Se equivocam e acreditam mais na minha embalagem de carne do que eu mesma. Não adianta mudar de nome e pedir que esqueçam, não se apoiem em mim, não se apeguem à foto do meu gato, do meu cachorro.  São o gato e o cachorro de ninguém.  As palavras passam por mim feito cacoetes de um Preto Velho. Fiz apenas pactuar com o universo que era melhor relaxar, abrir as pernas, deixar sair . E tento abrir as pernas enquanto corro afobada na multidão. Não é meu o recém nascido e não posso esperar nada dele. É parir e largar. Sou só passagem. Nem a que escreve nem a que corre louca dirigindo o carro praqui, prali, tarefeira, miss ansiedade, reativa, de saco cheio,  repetente. Persona cotidiana, armadura de dar conta,  trator governado que empresta as cenas do seu dia. Sou fio desencapado balançando e esbarrando no mar coletivo da eternidade. E as mensagens não têm autor. Baixam travestidas de poesia porque não cabem na retidão humana. E toda vez que você mirar em mim, na minha humanidade caolha, e se perder em comparações inúteis, em mensurações defensivas, em exaltações hierárquicas, perderá a mensagem do infinito que encharca o poema. Qualquer poema.  Então,  por favor me esqueça,  não tente me por a mão. Se abriu a porta ao mensageiro, oferece o peito à mensagem. Que eu pouco me importo com a verdade,  com a certeza, com a coerência, a responsabilidade, coisa de gente mais ou menos viva. Não me procure nas linhas, nas entrelinhas, nos espaços. Sinta. Você está só na página cercado de palavras. Suporte. A poeta, a mãe, a puta que pariu o texto,  mal baixou o arquivo da nuvem da alma e teve de correr rasinha pro supermercado.
*
*
*

Comentários

  1. ninguém teve coragem de comentar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É preciso estar disponível para o ódio ou o amor não vem. Safo aqui, câmbio.

      Excluir
  2. Tô indo pro supermercado correndo me agarrar em você, grande escritora.
    Te amo!
    Paula Nigro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paula amada, só aquela sua amiga palhaça de nariz de bolota, a tal Olívia, consegue me agarrar. Você não pode. Vá agarrando a outra que ela me mantém sempre informada de tudo. Beijo.

      Excluir
  3. Não adianta querer se safar, senhorita Safo, pois os textos estão impregnados de você.
    E é isso que faz a diferença. E é isso que faz eles serem únicos. E é por isso que gosto tanto de ler você. Você é uma grande criadora ( e não sou inocente por acreditar nisso).
    Um abraço!
    Em tempo: bela homenagem ao menino no post anterior.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. KKKKKKKK. Márcia querida, te perdoo por me misturar com ela. Ah se ela colocasse em prática tudo que eu sopro em seus ouvidos, talvez se perdesse completamente, talvez se achasse e nunca mais escrevesse aqui, talvez internassem de vez a louca. Confesso que preciso dela, mas repito que é limitada de uma forma que eu não sou. Aquele menino, inclusive, não é filho meu que eu sou solteira, senhorita, e por não ser mãe, posso falar melhor dele do que ela. Enfim, que ela não me atrapalhe e que você prefira o texto a uma de nós. Beijo.

      Excluir
    2. Então tá... Fica combinado assim: eu finjo que estou te entendendo, você finge que você não é você e continua nos encantando com seus textos! Abraço

      Excluir
    3. Aêêê Márcia! Se todos fizerem isto escreve-se melhor aqui. Hehehe. Beijão.

      Excluir
  4. EScrevi bastante, não consegui acessar o google, perdi o texto e estou com preguiça de escrever outro.
    Agora vai como anônimo, só pra dizer q não vou dizer nd.
    Ô dó.
    Sou a Sylvia Manzano.
    Beijo Safo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sylvia. Vê como o universo sozinho nos poupa? Acho que o Google agora foi mais claro do que eu.

      Excluir
  5. Bendita sois vós entre as mulheres que concebeis estes textos sem pecado! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bendita sois vós que compreendeis.

      Excluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Para o meu fantasma

Adeus e obrigada. Foi bom girar nos seus braços nesta valsa inesperada. Obrigada pela Duquesa, pela Gata Borralheira, pelo pai e pelas crianças minhas que você nem sabe que me deu. Obrigada pelo espelho onde pude pentear a minha vaidade, pelo lugar de destaque na sua corte que pude chamar de pouco. Foi doloroso ver meu tirano no seu, mas foi como um parto. Dor valiosa de onde nasci novamente. Obrigada por tudo que você nem sabe que foi. Por ter ido tão fundo em mim sem nunca ter deixado a superfície das suas vontades. Por ter me notado. Por ter chamado meu nome. Por ter evitado o meu mergulho e me devolvido a mim. Coloco este agradecimento e este adeus numa garrafa e lanço no rio de nome universo. Incógnita, me despeço. Remeto este adeus agradecido à sua alma que há de me escutar numa dimensão distante. Adeus e obrigada pelas provocações de menino, por acordar o meu menino, por dançar comigo esta dança breve, desatenta, mas necessária. Verdadeiramente, obrigada, segue seu caminho. Ab…

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *