Pular para o conteúdo principal

Para Minha Neta

Meu pior encontro com mamãe é quando ela vaza através dos meus olhos e da minha boca. Hoje berrei alto com minha filha...


Comentários

  1. Muito obrigada por me lembrar disso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De nada querida. Vamos nos lembrando.

      Excluir
  2. Preciso dizer em que estado estão meus olhos neste momento?
    Paula Nigro

    ResponderExcluir
  3. O ciclo da educação e o da imposição sempre se repete... Mas quem sabe se desse inevitável, o "acordar a tempo e mudar" funcione? Não precisamos repetir sempre o mesmo filme se sabemos que podemos ser originais...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos tentando. Mas fique atento que as reprises são insistentes.

      Excluir
  4. Doeu! Tô molinha esses dias e a bagagem que carrego também é bem pesada. Sabe que fiz conexão com um poema de Cora Coralina e com uma fala de minha psicóloga enquanto lia seu texto? O inconsciente está programado à repetição.
    Beijinho...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Neurose é repetição Adri. Somos engolidas por elas às vezes. As boas psicólogas estão aí pra fazer a gente ver. Mudar, já é outra coisa. Bjooo

      Excluir
  5. Escreve todo dia pra eu ficar chorando até a catarse?

    ResponderExcluir
  6. Acho que vc está precisando de um abraço também amiga. bjs e se sinta abraçada

    ResponderExcluir
  7. Menina, me desculpe, mas adorei o q escreveu.
    Me reabilitou perante a mim mesma, pq se até vc grita...
    Acredita q fiquei 3 dias sem sinal pra internet?
    foi uma tremenda confusão, tava na net, mudei pro speedy e nenhum tava dando certo.
    os dois me disseram q iam me mandar um técnico e depois qdo eu ligava cobrando, diziam q não tinha nenhuma solicitação de técnico.
    e eu perdi a cabeça.
    nunca isso tinha acontecido na minha vida.
    eu berrava como uma histérica, saí do speed e saí da net tb.
    mas depois, como a net disse q hj, sem falta, me mandava um técnico e mandou mesmo, eu acabei ficando na net.
    e, ontem, eu dizia aos berros: eu sp sou mto educada, não sei o q tá acontecendo, vocês me deixaram louca, vocês me enlouqueceram.
    mas passei o dia inteiro pensando nisso e não gostando nd do que fiz.
    agora, vendo q vc tb gritou, juro q fiquei aliviada.
    afinal, vc é minha ídola e tb gritou.
    bjo e obrigada por ter gritado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai Sylvia, tô rolando de rir aqui imaginando você berrando coma NET. Amada, berrar com a NET não é pecado. Berrar com o Speedy também não. Sei que tem um pobre coitado lá na linha pra servir de saco de pancada, mas o cara que procure outro emprego e a NET que vire uma empresa decente. Eu sou bem complicada e confusa e bagunçada também. Como todas nós. Talvez eu tenha mais facilidade de escrever sobre isso, de por pra fora. Hoje tô mais calma. Beijo. Beijo. Beijo.

      Excluir
  8. Olá!
    Eu estava pesquisando a palavra "Safo" e caí no sue blog. A frase: "Meu pior encontro com mamãe..." saltou a minha frente e resolvi ver do que se tratava!
    Nossa!!! Foi uma identificação instântanea, você colocou todo um turbilhão de sentimentos em seu texto, de maneira clara,bonita e ordenada.Me senti compreendida,acolhida,redemida...
    Ganhei uma companheira.
    Adorei "descobrir" você neste vasto mundo da net!
    Um abraço carinhoso,
    Mari

    ResponderExcluir
  9. Mari, tão bom quando alguém surge assim do nada, de onde a gente não espera.Somos muitas por aqui que se parecem com você. Obrigada pelo carinho. Venha sempre.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *

O fim da geração jeitinho

É difícil criticar um quadro estando dentro dele. Mas, vamos lá: eu pertenço à geração jeitinho. A uma das muitas gerações jeitinho. Fui paulatinamente estragada por um excesso aprendido de condescendência. Tenho amigos médicos, dentistas, motoristas de ônibus, publicitários, atores... nascidos e criados na cultura do jeitinho. Crescidos na catequese implacável do jeito correto de fazer as coisas, mas ouvindo, lá no fundo, o canto da sereia do jeitinho. Em caso de deslize extremo, complexo, ele estaria lá, sempre à mão e eu sempre soube: o jeitinho. Pra tudo existe um: eu me tranquilizava. O “não” é um troço elástico, manipulável. Depende de quem eu sou, quem eu conheço, da minha patente, de quanto eu tenho, do meu cargo. Sou da geração que endossa privilégios, focada em me tornar um dos privilegiados e não em acabar com eles. Tentando um emprego público para me acomodar, não para servir ao público. Olhando o serviço público com a lente distorcida do privilégio. O salário caiu na con…