Pular para o conteúdo principal

Sem Provas Cabais

Deborah Barlow
Confessemos. A gente tem um prazerzinho mórbido com o lado ruim do outro. É o que alimenta nosso exercício incontrolável da fofoca. Eu fofoco como quem coça uma frieira. É ruim e é bom. Quando exponho a ruindade do outro, reafirmo meu lugar de superioridade, ainda que momentânea, ainda que sob determinado aspecto. É o tribunal cotidiano rolando em voz baixa pelos cantos. Somos fofoqueiros natos. Sabemos que é feio, mas precisamos expor o outro em suas mazelas num ato de cumplicidade com um terceiro para nos salvar. Fofoca é inevitável. O lado feioso, repugnante, manco do outro, me hipnotiza. E quando ele escapa da fachada bem comportada do outro e mostra seu rabinho, exulto. Meu cérebro foca imediatamente naquela ruindade e começa a trabalhar sobre ela, alimentá-la. Então o terceiro se encosta para ajudar nos contornos hiper-realistas da pintura do monstro. Ele têm informações acessórias que comprovam e reforçam a ruindade exposta. A fogueira está linda e ele trouxe mais lenha. E ficamos eu e o terceiro fascinados com os estalos da brasa e as chamas bruxuleantes. É um egoísta, se acha o máximo, ouvi dizer que,  não tem um pingo de autoestima, apanha da mulher, tem um caso, eu não queria dizer nada, mas. Eu queria sim. Queremos denunciar a bruxa do outro e vê-la arder. E tudo bem. É um ritual da cultura. Eu vou continuar fofocando de vez em quando, não muito, e sem dar à minha fofoca ares de sentença divina. A fofoca ameniza a convivência com minha própria feiura. É terapêutico.  Mas depois eu vou escolher aquele lado melhor do outro, aquilo tudo que ele fez de bom e de legal e o tanto que ele tentou acertar e caçar uma essência boa que, acredito, ele tenha. Tentarei a todo custo protegê-lo de mim e das minhas projeções, inocentá-lo, salvá-lo. Não porque eu seja boazinha, eu sou defeituosa, fonte rica e inesgotável de fofocas. É que cada humano que executo diminui a fila na qual também estou rumo ao paredão. E o mundo carece tanto de bondade que não posso me dar ao luxo de fuzilar ninguém sem provas cabais de ruindade majoritária e irreversível.  Fofoca feita, guardo meu quadro de monstro e vou atrás do outro sem orgulho em busca de sua bondade.  Acho sua bondade e me agarro com força a ela e, quase sempre, na enxurrada de ruindade do mundo, boiamos os dois. 
*
*
*

Comentários

  1. Muito, muito boa! Sempre lembro de suas crônicas no dia a dia e, quase sempre, recorro às suas constatações. São sempre leves e sábias. Muitos beijos :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi poetinha, eu também gosto da companhia dos seu poemas. Vamos juntas. Beijo.

      Excluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Para o meu fantasma

Adeus e obrigada. Foi bom girar nos seus braços nesta valsa inesperada. Obrigada pela Duquesa, pela Gata Borralheira, pelo pai e pelas crianças minhas que você nem sabe que me deu. Obrigada pelo espelho onde pude pentear a minha vaidade, pelo lugar de destaque na sua corte que pude chamar de pouco. Foi doloroso ver meu tirano no seu, mas foi como um parto. Dor valiosa de onde nasci novamente. Obrigada por tudo que você nem sabe que foi. Por ter ido tão fundo em mim sem nunca ter deixado a superfície das suas vontades. Por ter me notado. Por ter chamado meu nome. Por ter evitado o meu mergulho e me devolvido a mim. Coloco este agradecimento e este adeus numa garrafa e lanço no rio de nome universo. Incógnita, me despeço. Remeto este adeus agradecido à sua alma que há de me escutar numa dimensão distante. Adeus e obrigada pelas provocações de menino, por acordar o meu menino, por dançar comigo esta dança breve, desatenta, mas necessária. Verdadeiramente, obrigada, segue seu caminho. Ab…

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *