Pular para o conteúdo principal

O Impossível Outro


De um lado amigos machos sozinhos. Do outro, as meninas. Casaram e quebraram a cara ou são solteiros eternos e estão na busca. Batem em minha porta atrás uns dos outros...


Comentários

  1. Uma improvável e linda declaração de amor. :)

    ResponderExcluir
  2. Achilles amigo poeta, a gente precisa fazer declarações de amor amiúde. Já fez a sua hoje?

    ResponderExcluir
  3. Safo, sabia que vc era capricorniana! to mtu feliz! hahaha quanto mais eu leio seu blog, mas suas palavras dialogam com meu cotidiano.
    Obrigada, obrigada, obrigada! Barbara Martins

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eita Bárbara! Que bom saber desta sintonia. Venha sempre. Beijooo

      Excluir
  4. Minha cara Senhorita Safo, não seja tão severa no julgamento ....
    Adorei a declaração ... até mesmo os advogados merecem o amor. Rsrsrrs

    Adorei, mas ainda estou lendo o ano de 2010.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro Anônimo, estou honrada com sua dedicação. Quem serás?

      Excluir
    2. Digamos que eu sou um conservador libertário Rsrsrsrsrsr .... e tenho um nome comum em algumas mesas.

      http://www.youtube.com/watch?v=eHxebCIXavw

      Excluir
    3. Caro conservador, é uma das coisas mais lindas que já vimos, eu e meus filhos. Obrigada. Obrigada. Obrigada.

      Excluir
  5. Nannu,
    chorei e ri. Só para variar um pouco.
    Um beijo!
    Paula Nigro
    :o)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lindinha! Quero tanto te ver feliz.

      Excluir
  6. Sendo eu uma dessas amigas maravilhosas avulsas e que já está em coma alcoólico mas tentando manter olhos vigilantes - inda que com um palitinho de fósforo segurando as pálpebras - sempre achei que você se casou com o BMW. Mas pelas afetações de uma alta de açúcar qualquer, na cura necessária do dia a dia, sinto que voce vai acabar concluindo suas bodas de diamante na garupa de uma lambreta amarela subindo e descendo montanhas de BH, com o doutor rindo escancarado de tão bom que isso tá ficando... (e ele complementa lindamente lá embaixo, dizendo que segue com um pouco de atraso, mas segue). Du caralho. O amor é lindo. E o telefone da amiga que comenta está com a autora. Agradeço aos interessados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Complemento que é uma mulher linda e que faz a gente rir e mergulhar nas coisas simples e sair do outro lado do mundo, e eu, se fosse homem, era namorado dela. Sim, eu tenho o telefone. Venham!

      Excluir
  7. DONA SAFO, A SRA. É ÓTIMA , TE ACHO-TE UM BARATO !
    CONTONINUE. NÃO ESTACIONE. ATÉ QUE NOS ENCONTREMOS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A expectativa de te encontrar faz o continuar mais gostoso. Obrigada.

      Excluir
  8. Deu uma vontade de me apaixonar "pela errada"... deixa eu fazer (viver) este texto. Deixa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vida é risco Vanvan, o resto é acostamento.

      Excluir
  9. Lindo...Lindo!

    É como eu sempre digo"não se pensa para amar"

    Beijinho!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eba! Tava com saudade da poeta por aqui. Bjooo

      Excluir
  10. Que bom que agora tem link pro FAce.
    Antes eu copiava e colava as suas crônicas, sabia?
    Vc é ótima por demais, viu?
    Adoro o que escreve.
    Acredita que passei por isso ultimamente?
    Me apaixonei por uma pessoa improvável, mas fiquei com tanto medo, que chutei o balde, pisei na jaca e o que era doce, acabou-se.
    Bjo
    Sylvia Manzano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai Sylvia, a entrega quase sempre é dolorosa, assustadora, mas tão necessária. Outras jacas virão.

      Excluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *

O fim da geração jeitinho

É difícil criticar um quadro estando dentro dele. Mas, vamos lá: eu pertenço à geração jeitinho. A uma das muitas gerações jeitinho. Fui paulatinamente estragada por um excesso aprendido de condescendência. Tenho amigos médicos, dentistas, motoristas de ônibus, publicitários, atores... nascidos e criados na cultura do jeitinho. Crescidos na catequese implacável do jeito correto de fazer as coisas, mas ouvindo, lá no fundo, o canto da sereia do jeitinho. Em caso de deslize extremo, complexo, ele estaria lá, sempre à mão e eu sempre soube: o jeitinho. Pra tudo existe um: eu me tranquilizava. O “não” é um troço elástico, manipulável. Depende de quem eu sou, quem eu conheço, da minha patente, de quanto eu tenho, do meu cargo. Sou da geração que endossa privilégios, focada em me tornar um dos privilegiados e não em acabar com eles. Tentando um emprego público para me acomodar, não para servir ao público. Olhando o serviço público com a lente distorcida do privilégio. O salário caiu na con…