Pular para o conteúdo principal

Nem Gente

Planchon Ludwig
Observo a morte de grandes mitos da música ainda jovens, meteoros consumidos em seu próprio fogo, e entendo o delicioso poder da loucura, ou da droga e do álcool, loucura temporária e induzida, de nos catapultar direto da realidade parametrizada e morna para a nebulosa hiperconceitual do inconsciente coletivo. A viagem. Traspassar esta barreira do humano, mergulhar no magma repleto de percepções e sensações grandiosas que podem elevar ao paraíso ou matar. Eu sempre fui covarde diante das drogas e do álcool. Medo de perder o controle. Talvez porque perdesse muitas vezes o controle desde criança em episódios mais tarde chamados de síndrome do pânico. Talvez porque, antes dela, já temesse o descontrole e a síndrome fosse só consequência.  Eu fui guiada para o lado de lá pela dor.  Minha inadaptação ao mundo, minha repulsa aos cenários e aos personagens da história, me lançaram para o lado de lá. Uma espécie de loucura branda marcada pela cotidiana dificuldade de respirar. Loucura homeopática, quase sempre administrável com um ou outro comprimido, corridas no parque, terapia. O meio do caminho: nem tão doida que morra e se imortalize, nem tão normal que se adapte. Não sideriza, não faz o concurso público. E dói. Eu me aboletei na ponte entre os artistas esquizofrênicos e os diretores de empresas, e visito, esporadicamente, uns e outros. Levo mensagens daqui pra lá, tento apresentá-los, tudo gente, eu penso. E pago o preço de não beber todo o álcool que queria, não lotear meu corpo entre homens e mulheres, não matar por prazer e não perder-me nos braços do mar abissal e incontrolável a ponto de enxergar sereias. E fico na ponte a espera de escolher um lado porque penso: ponte é caminho, não fim. Fico entalada no canal sem nascimento. Sem presente. E de repente uma Gestalt me salva: sou a mulher da ponte, pertenço aos dois lados,  não posso escolher. Sou a mulher da ponte, guardo a passagem para que não se feche, e carrego as mensagens.  Este é o meu presente.  Sou a mulher da ponte. Não. Não sou nem mulher nem homem nem gente. Eu sou a ponte.
*
*
*

Comentários

  1. Anônimo5/5/12 23:36

    Mulheres como vc, sei, não.
    Talvez tenham que ficar na terceira margem do rio mesmo.
    Seu texto é de uma tal preciosidade, que sei, não.
    Onde ficaria?
    Onde caberia?
    Sylvia Manzano

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Syvia querida, desconhecida, que bom tê-la.

      Excluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Para o meu fantasma

Adeus e obrigada. Foi bom girar nos seus braços nesta valsa inesperada. Obrigada pela Duquesa, pela Gata Borralheira, pelo pai e pelas crianças minhas que você nem sabe que me deu. Obrigada pelo espelho onde pude pentear a minha vaidade, pelo lugar de destaque na sua corte que pude chamar de pouco. Foi doloroso ver meu tirano no seu, mas foi como um parto. Dor valiosa de onde nasci novamente. Obrigada por tudo que você nem sabe que foi. Por ter ido tão fundo em mim sem nunca ter deixado a superfície das suas vontades. Por ter me notado. Por ter chamado meu nome. Por ter evitado o meu mergulho e me devolvido a mim. Coloco este agradecimento e este adeus numa garrafa e lanço no rio de nome universo. Incógnita, me despeço. Remeto este adeus agradecido à sua alma que há de me escutar numa dimensão distante. Adeus e obrigada pelas provocações de menino, por acordar o meu menino, por dançar comigo esta dança breve, desatenta, mas necessária. Verdadeiramente, obrigada, segue seu caminho. Ab…

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *