Pular para o conteúdo principal

Mulheres Carecas

A amiga enfartou e fiquei brava. Mulheres não usavam enfartar. Mas estamos conquistando a igualdade num mundo onde ainda prevalece a lógica do macho. Sim: a gente também sabe dar porrada, a gente também é foda. E logo vamos conseguir ficar carecas, aguardem! Trouxemos a nossa barraca e montamos na planície do macho. E estávamos avisadas: planície é território de guerra não é cozinha, viu fofa?! Tudo bem, a gente aguenta.  Engolimos o choro, subimos no salto, e aprendemos a mijar pra marcar o território. Mijar de salto alto é dureza, mas está escrito no manual do sistema em vigor: tem que marcar o território. Aqui é meu, ali é meu, acolá é meu. Marcou? Agora tem que expandir. Isto querida, levanta a saia e vai mijando cada vez mais pra lá. O concorrente mijou? Corre e mija em cima. E lá vão elas, conquistando o devido respeito no Machomundi. Ainda ganham menos, afinal ele está melhor aparelhado pra mijar no alvo, a vantagem anatômica. Ela mija espalhado, complica. No mais, estão iguaizinhas a eles. Não. Piores. Porque elas partem pra cima de salto e tailleur. E maquiadas. E com maquiagem boa daquelas que não sai se chorar escondido. Na lei do macho, as unhas devem estar bem pintadas antes de enfiar na luva de boxe. Falta de feminilidade não pode, dá até justa causa. Feminilidade neste esquema não é um estado, é uma forma. Então ela se traveste de trator mas com uns adesivos de flores, um trator lilás, e se lança ladeira abaixo. O feminino mesmo, continua não cabendo. Esperneou e foi aceita no clube do bolinha desde que as crianças sejam bem criadas, a casa continue limpa e a comida quente. E ela abraça tudo, seu cérebro feminino multitarefa não conhece limites. Pula feito louca só no saltão e no tailleurzinho de função em tarefa e troca o pneu enquanto dita um receita de risoto ao telefone para a empregada. Mulher Maravilha dando pernadas nos vilões com aquele colant enforcando a cintura. Nem pode respirar e tem que salvar o mundo. Mas os homens a reverenciam, a estrangeira que virou primeira ministra, presidenta. Não por sua capacidade mediúnica de ler o outro, carregá-lo dentro de si, tornar-se um com ele: ser dois no mesmo território. Mas devido a sua disposição de trocar este talento por um lugar no sistema operacional do macho. Ir também à guerra, não para puxar o gatilho, mas para dizer ao atirador onde doerá mais. Vencer. Conquistar. Ser o alfa. E quando finalmente for alfa,  se não enfartar no caminho,  ganhar um troféu de metal caro que não saberá onde enfiar, ainda a espera de flores com carinho e outras doçuras inconfessáveis. Pensando bem, minha amiga enfartada teve sorte, meteu uns stents no coração e acordou. Soldados morrem. Princesas sempre acordam.  
*
Para a amiga de coração enorme e remendado, uma bronca com amor.
*
*

Comentários

  1. Pronto, agora já tenho certeza do figurino da minha cena! ah, sim, eu também vou estar em cena!
    Eu escrevendo coisas aqui e quando vou ler vc, já tá escrito, e melhor escrito, é claro!

    ResponderExcluir
  2. Pinicando aqui de curiosidade.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Para o meu fantasma

Adeus e obrigada. Foi bom girar nos seus braços nesta valsa inesperada. Obrigada pela Duquesa, pela Gata Borralheira, pelo pai e pelas crianças minhas que você nem sabe que me deu. Obrigada pelo espelho onde pude pentear a minha vaidade, pelo lugar de destaque na sua corte que pude chamar de pouco. Foi doloroso ver meu tirano no seu, mas foi como um parto. Dor valiosa de onde nasci novamente. Obrigada por tudo que você nem sabe que foi. Por ter ido tão fundo em mim sem nunca ter deixado a superfície das suas vontades. Por ter me notado. Por ter chamado meu nome. Por ter evitado o meu mergulho e me devolvido a mim. Coloco este agradecimento e este adeus numa garrafa e lanço no rio de nome universo. Incógnita, me despeço. Remeto este adeus agradecido à sua alma que há de me escutar numa dimensão distante. Adeus e obrigada pelas provocações de menino, por acordar o meu menino, por dançar comigo esta dança breve, desatenta, mas necessária. Verdadeiramente, obrigada, segue seu caminho. Ab…

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *