Pular para o conteúdo principal

Com a Macaca

Quem tá rindo é porque não entendeu nada. Vi outro dia numa faixa. É. Tá difícil rir e  pensar ao mesmo tempo.  Não estamos nos divertindo. Vamos levando. Falo de nós: a maioria.  Em matéria de discursos a sociedade nunca foi tão generosa, na real é o lixo.  A lógica é simples: quem pode mais come o outro, e esta frase pode ser interpretada em vários sentidos. Quem pode menos, favor procurar o incinerador mais próximo. No discurso a gente inclui todo mundo: cadeirante, cego, surdo, pobre, velho. É lindo. Mas na real o cara é o transtorno da performance.  E a performance é a alma do sistema.  E digamos que o sistema não foi assim uma puta invenção. Digamos, de uma forma bem simplória, que reeditamos os esquemas da selva primitiva botando grana no lugar dos músculos.  Tudo bem você não ser o macaco mais musculoso desde que você tenha alguns Porshes e Ferraris, um barco gigantesco que você não usa e alguns quadros do Monet, ou Manet, pra você tanto faz.  Tá combinado socialmente, você é O macaco do sistema. O cara. Mas a grande bosta é que pra você ficar empoleirado neste galho premium da árvore é preciso existir uma macacada dos infernos no limbo. Que às vezes até tá rindo porque não entendeu nada.  Mas que enche o saco. Primeiro porque eles são muito feios, segundo os padrões estéticos do sistema, e são visíveis. Depois porque eles ficam doentes, perdem pedaços do corpo e vão para os semáforos pedir dinheiro no vidro do seu carro te obrigando a andar de helicóptero. Depois porque eles querem o que é seu e vão buscar. Armados.  E como ratos que são, costumam passar pelo muro, pelo cachorro, pelo vigia, pelo infravermelho e tcha-naaan! lá estão eles dentro da sala da sua casa. E não é propriamente um encontro entre dois animais humanos, é o choque horrendo entre você transformado pelo sistema no Alfa, o bem vestido, o bem nutrido, o educado,  o fino, e ele transformado pelo sistema num bicho sem alma, sem compaixão,  monstro, ratazana malvada.  Na sala você, ele, o abismo entre os dois e o revólver.  Mas ele pertence ao sistema. E não adianta matar, queimar o corpo,  jogar no rio: ele renasce feito o Jason no Sexta-feira 13. Ele e sua turma brotam aos milhares nos esgotos do sistema. Porque são funcionais. Eles funcionam no sistema do quem pode mais. Exemplo: quem tem um trinta e oito pode mais do que quem tem um Porshe. Lógico, simples, genial. E eu, que não tenho o trinta e oito nem o Porshe, fico neste maldito lugar chamado meio, onde moram as pessoas que não podem ser felizes porque não têm trabalho e as que não podem ser felizes porque têm que trabalhar pra caralho.   Sem coragem de roubar, sem a possibilidade de casar com um velho milionário, sem sequer acreditar que posso ganhar na loteria,  não rio. E tenho saudades de quando eu era uma macaca magrela pendurada na árvore.
*
*
*

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *

O fim da geração jeitinho

É difícil criticar um quadro estando dentro dele. Mas, vamos lá: eu pertenço à geração jeitinho. A uma das muitas gerações jeitinho. Fui paulatinamente estragada por um excesso aprendido de condescendência. Tenho amigos médicos, dentistas, motoristas de ônibus, publicitários, atores... nascidos e criados na cultura do jeitinho. Crescidos na catequese implacável do jeito correto de fazer as coisas, mas ouvindo, lá no fundo, o canto da sereia do jeitinho. Em caso de deslize extremo, complexo, ele estaria lá, sempre à mão e eu sempre soube: o jeitinho. Pra tudo existe um: eu me tranquilizava. O “não” é um troço elástico, manipulável. Depende de quem eu sou, quem eu conheço, da minha patente, de quanto eu tenho, do meu cargo. Sou da geração que endossa privilégios, focada em me tornar um dos privilegiados e não em acabar com eles. Tentando um emprego público para me acomodar, não para servir ao público. Olhando o serviço público com a lente distorcida do privilégio. O salário caiu na con…