Pular para o conteúdo principal

Está Escrito


Hoje, não quero escrever. Estou de mal com a escrita. Estou com raiva da escrita. Hoje vou escrever desescrevendo. Eu que comecei a escrever crônicas aos onze anos e passei por poemas, contos, peças de teatro, filmes, hoje estou odiando tudo isso. Quero escapar da maldita folha branca que é meu destino. Estou achando ridícula, quase inútil, esta sina de escrever num blog. Uma amiga da minha irmã comentou negativamente impressionada: mas sua irmã tem três filhos e escreve num blog? É verdade: que monstro sou eu que três vezes mãe escrevo num blog apenas pelo prazer de escrever? Que gasto vários preciosos minutos do dia metendo os dedos nestas teclas atrás de frases redondas ou pontudas? Que faço e refaço um parágrafo diversas vezes como quem borda um pano de prato? Enquanto deveria estar fazendo algo realmente útil. Sim, a poesia é a mais inútil das criaturas, passatempo de irresponsáveis, reduto de preguiçosos que se dão ao desfrute de serem sensíveis demais para carregarem o piano. Eles querem tocar. Eles só carregam pianos para tocar e não porque pianos precisam ser carregados.  Frescos dos infernos. Estou cheia desta cigarra em mim. Bicho chato que canta até explodir. Eu quero só carregar uma folhinha até o formigueiro. Sem olhar para sua epiderme e sem transformá-la numa lamina verde que respira. É só uma folha, carrega e coloca lá, que saco! Mas é tarde demais. Já era tarde quando nasci. Aos quarenta e muitos anos me surpreendo no espelho presa dentro desta escritora. Precisando desesperadamente ser algo mais útil para a amiga da minha irmã.  Ser pessoa a quem o mundo prático, de onde tiramos o almoço, a janta, a escola dos meninos, os remédios, dê crédito. Mas é tarde. Estou condenada por este destino, este roteiro de Deus, este personagem contraproducente. É, Deus escreve, mas ele é Deus. E vai ver não gosta de concorrência. Pronto, chutei o balde e certamente ele irá me punir na próxima vida. Foda-se. Ele que restitua ao mundo o valor do verbo. E me dê a minha parte em dinheiro. Falei.

"No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por meio dele" (João 1:1-3).
*
*
*

Comentários

  1. Querida,
    Vc é o sal da terra! Precisamos de gente como vc para nos contar o que somos. Realize o seu destino. bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada. Tô precisando de reforço. Hahaha. Beijão.

      Excluir
  2. Nanna ,
    Se você precisar de ajuda pra bater na amiga da sua irmã , conte comigo !
    No mais , continue nos brindando com suas palavras , sua poesia , seus textos .
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ô querida, vamos lá dar um pau nela? KKKKKKK! Obrigada.

      Excluir
  3. Poderíamos mudar a pontuação do que a amiga da sua irmã disse: ela tem três filhos e escreve num blog!!!!!...Que incrível!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Nádia. A gente precisa mesmo pontuar o que realmente vale a pena. Bjoca.

      Excluir
  4. A amiga da sua irmã provávelmente não escreve, deve estar engessada num dia a dia massacrante, como todas nós, mas não encontra tempo nem jeito de ter um espaço prá fazer coisas como por exemplo: Escrever.
    Não engavete seu talento por isso, é uma necessidade que vc e todos tem de dar sua contrapartida para a vida, nem todos conseguem. É um previlégio a ser conquistado!
    Aguardo seu próximo texto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Lu, obrigada, os próximos textos virão, eles não dependem de mim pra sair, são uma determinação do universo. Fique sempre por perto. Bjão.

      Excluir
  5. Nanna, eu tenho pra mim que Deus escreveu mesmo antes de suas falas o nome "escritora", e este personagem vem trazendo para nós, que lemos o que imperiosamente você se deixa colocar por escrito, gotas da amorosidade, da sabedoria e da presença Dele. Que o Verbo lhe abençôe por seguir sua vocação de fiandeira de panos não de prato, mas de palavra! E por atender ao chamando de escrever letras que serão cantadas ao piano e que nos ajudarão a carregar nossos sonhhos. Bj a você, e abraços aos três filhos da artista tecedora deste blog e outros textos, ao Sérgio & Cia! Boa Semana Santa para todos! Davi

    ResponderExcluir
  6. Amado e adorado, suas palavras me fazem um bem danado. Obrigada.

    ResponderExcluir
  7. Relaxa,menina,que esta é sua sina!
    E nós, seus leitores assíduos, agradecemos...
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Márcia, é que bateu uma carência mesmo. Obrigada pelo carinho.

      Excluir
  8. Anônimo6/4/12 14:09

    Muito bem. Vamos fazer unir o Útil ao Bom e ao Agradável:
    o avaço inovador da Tecnologia + a arte conciliadora
    da Comunicação + o poder transformador do Amor:

    Envio parte da letra de nossa composição "Eu sou' da Paz:
    Quero fazer minha parte e contribuir, no mundo, em favor da paz!
    Uma paz, cada vez mais, tão distante!... Estão atirando,
    [e se atirando] a esmo... E errando o alvo, assim mesmo!
    Porque a paz... ela está... A Paz... ela está dentro de nós!
    < 01 >
    Em nosso coração, de onde procedem as saídas da vida,
    pode estar, para o problema da paz no mundo, a saída.
    Sim, pode ser o nosso coração, para haver mais luz e paz na terra, a solução!
    < 02 >
    Vamos, irmãos, olhar para dentro de nós! E, para Deus,
    nos voltar e ouvir a Sua voz... Ele nos diz assim: [Fala Deus!]
    “Eu sei muito bem os pensamentos que tenho de vós...
    Não são de mal, mas sim, de PAZ!... Para fazer, da vossa
    triste sorte, a mudança... Para vos dar Vida, Luz e ESPERANÇA!”
    Toninho Lacerda / 2002

    "Por amor"
    O Amor, o verdadeiro amor... Por que o mundo não entendeu?
    Não captou a singular mensagem do Amor...
    O dom maior, o Amor?
    Quanta ingratidão de quem não aceitou um presente,
    uma oferta de amor!... Sacrifício de tão grande valor!
    De um Pai que, em resgate por toda a humanidade,
    deu o Seu próprio Filho, que deixou Sua glória e majestade,
    e desceu pra sofrer e morrer, na maldição de uma cruz!
    Como um cordeiro foi imolado, Seu unigênito, [Seu] Filho amado!
    Cheio de graça e de verdade!... Cheio de vida e luz!
    Por amor!... Com imenso amor!...
    Nosso Deus, o PAI, desde os céus, nos deu JESUS!...
    A Luz para este mundo!... J E S U S!
    “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu
    o seu Filho unigênito, [JESUS], para que todos os que crerem nEle,
    não pereçam, não se percam, mas tenham a vida eterna." João 3:16

    Toninho
    Antônio Francisco Lacerda
    Santa Margarida MG

    ResponderExcluir
  9. Anônimo9/4/12 20:17

    A poesia não presta pra nada mesmo, mas sem ela o mundo seria mais cinza, mais chato e seria dificil atravessar as vinte e quatro horas de um dia.
    Você escreve o que a gente nem pensou ainda e muito menos saberia dizer.
    Você antecipa a angústia que iremos sentir depois de amanhã e aí a gente já está mais preparada para sua chegada.
    Go on, keep walking, senhorita Safo.
    EStou indo como anônima mas me chamo Sylvia Manzano

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sylvia, Sylvia, Sylvia... Eu escrevo aqui por amor. Amor cafona, amor meloso, amor boboca, injustificável. Não vou parar. Não dá. Obrigada pela companhia e pelo carinho.

      Excluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Para o meu fantasma

Adeus e obrigada. Foi bom girar nos seus braços nesta valsa inesperada. Obrigada pela Duquesa, pela Gata Borralheira, pelo pai e pelas crianças minhas que você nem sabe que me deu. Obrigada pelo espelho onde pude pentear a minha vaidade, pelo lugar de destaque na sua corte que pude chamar de pouco. Foi doloroso ver meu tirano no seu, mas foi como um parto. Dor valiosa de onde nasci novamente. Obrigada por tudo que você nem sabe que foi. Por ter ido tão fundo em mim sem nunca ter deixado a superfície das suas vontades. Por ter me notado. Por ter chamado meu nome. Por ter evitado o meu mergulho e me devolvido a mim. Coloco este agradecimento e este adeus numa garrafa e lanço no rio de nome universo. Incógnita, me despeço. Remeto este adeus agradecido à sua alma que há de me escutar numa dimensão distante. Adeus e obrigada pelas provocações de menino, por acordar o meu menino, por dançar comigo esta dança breve, desatenta, mas necessária. Verdadeiramente, obrigada, segue seu caminho. Ab…

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *