Pular para o conteúdo principal

O Banco

Em frente ao quartel militar há uma praça e um banco onde não se pode sentar. Na praça há vários bancos idênticos, mas naquele não se pode sentar. Um soldado passa o dia de pé ao lado do banco vigiando. Não fala, e de nada adianta tentar arrancar dele o motivo pelo qual o banco deve permanecer vazio. Ele não sabe, é um militar, cumpre ordens, não pergunta.  Também dentro do quartel imponente às costas do soldado, ninguém pergunta. Um supõe que o outro saiba e o outro sabe que não saber pode ser perigoso e todos supõe que a razão existe e deve ser forte. Então se calam e aquiescem diante da ordem que é publicada todos os dias no quartel e designa eternamente um soldado para guardar o banco e impedir que algum incauto, por força da ignorância, venha a se esparramar sobre ele. Frequentadores da praça trocam entre si teorias mirabolantes que explicam o inexplicável banco proibido. Ali teria pousado o traseiro do Marechal Deodoro da Fonseca quando passou em revista ao quartel. OU. Ali o Papa João Paulo II teria descansado em sua peregrinação pela cidade. OU. Ali um famoso poeta modernista teria sido assassinado a tiros. OU.  Ali Elizabeth Taylor e Richard Burton teriam se sentado de mãos dadas numa suposta visita ao país.  Camadas e mais camadas de mito vão se formando década após década sobre o comum banco de cimento e transformando-se em verdade, em lei, na cabeça dos homens. Até que um jornalista intrigado resolve fazer uma pesquisa sobre o fenômeno. E fuçando nos arquivos empoeirados e amarelados da instituição, desenterra a primeira ordem de destacamento de um soldado para vigiar o banco. Ali, a chave do mistério guardada há mais de quarenta anos como um colar de esmeraldas na gaveta de um navio submerso: tinta fresca. Pintaram o banco e destacaram um soldado para evitar que pessoa menos atenta se sujasse nele. Por uma distração, destas que sobram em órgãos públicos, a ordem nunca foi cancelada e seguiu sendo burocraticamente expedida todos os dias, e cegamente acatada, até virar lenda. Assim também nascem tabus, preconceitos e neuroses. Vigiamos bancos porque um Deus mandou ou porque carregamos o medo anacrônico e infundado de que alguém venha a sentar-se nele. Não comemos carne de porco, não mostramos o tornozelo, e, paradoxalmente, reclamamos da solidão, rígidos e armados ao lado do nosso banco. E hipnotizados pela infância psicológica ou da civilização, não mergulhamos em nossas pastas suspensas atrás do papelzinho amarelado que nos daria a liberdade. Construímos fantasias eloquentes e nos apegamos a elas e até nos sentimos importantes, poderosos, especiais, diante dos nossos bancos vazios.  Naquela praça não há mais soldado e o banco foi devolvido à sua função de acolher o vai e vem humano. Mas ainda há quem não sente, apavorado pelo vazio que a liberdade trouxe.
*
*
*

Comentários

  1. Ainda ontem questionei uma lei que privilegiava os militares. Quando fui olhar a data de criação, adivinha? 1968

    Até hoje a tal lei vigora e e ensinada nos cursos de Direito. É um absurdo!

    Lindo texto! Ainda temos muito a mudar.

    Bjo!

    ResponderExcluir
  2. Pois é. Vamos mudando dentro que já ajuda. São Paulo te espera de novo. Pode vir sem o Brenos. Rs. Bjão

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Para o meu fantasma

Adeus e obrigada. Foi bom girar nos seus braços nesta valsa inesperada. Obrigada pela Duquesa, pela Gata Borralheira, pelo pai e pelas crianças minhas que você nem sabe que me deu. Obrigada pelo espelho onde pude pentear a minha vaidade, pelo lugar de destaque na sua corte que pude chamar de pouco. Foi doloroso ver meu tirano no seu, mas foi como um parto. Dor valiosa de onde nasci novamente. Obrigada por tudo que você nem sabe que foi. Por ter ido tão fundo em mim sem nunca ter deixado a superfície das suas vontades. Por ter me notado. Por ter chamado meu nome. Por ter evitado o meu mergulho e me devolvido a mim. Coloco este agradecimento e este adeus numa garrafa e lanço no rio de nome universo. Incógnita, me despeço. Remeto este adeus agradecido à sua alma que há de me escutar numa dimensão distante. Adeus e obrigada pelas provocações de menino, por acordar o meu menino, por dançar comigo esta dança breve, desatenta, mas necessária. Verdadeiramente, obrigada, segue seu caminho. Ab…

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *