Pular para o conteúdo principal

Me Leva

Pessoas não levam cachorros para passear. É justamente o contrário. Amanhece o dia em São Paulo e a rua vai se enchendo de cachorros puxando seus donos pelas guias. Passinho, passinho e afunda o fuço no chão em um misterioso centímetro quadrado de preciosidade inexplicável. E o dono ali, preso pela cordinha, olhando absorto, entregue ao seu quadrúpede e também atarracado ao pedaço de chão. Somos seus humanos. Ninas, Lulas, Pagus, Lunas, Lolas, Jucas, Brisas, Pitus, Neguinhos, nossos proprietários. Todo e qualquer cachorro carrega o dom de tornar o ser humano um animal melhor. Ou nos fazem mais humanos ou escancaram nossas desumanidades, nossos abandonos. Andando atrás deles, exercitamos o coração de muitas formas. Cachorro faz a gente conhecer vizinhos que habitualmente ignoramos, isolados em nosso castelo. Enquanto um cheira o cu do outro, os seus humanos aproveitam pra se olhar, se dizer oi.  Cachorro faz nosso cérebro descansar num sorriso enquanto corre atrás do rabo. Cachorro faz a gente se distrair do próprio peso e rolar na grama do parque quando somos obrigados a levá-lo para passear. Jogamos o pauzinho para ele, em troca de um mísero rabo que abana, e mergulhamos no terreno esquecido da generosidade, do acolhimento, do amor gratuito, e ficamos misteriosamente felizes com aquela promessa peluda de estorvo que, na maior parte das vezes, sequer traz  o pauzinho de volta.  Ter cachorro é terapêutico, é profilático, é libertador, e dá trabalho.  Filhos dão trabalho, jardins dão trabalho, grandes amores dão trabalho, feijoada dá trabalho e aquilo em que nos acomodamos pode ser o mais morno e silencioso deserto. Então, eu sugiro aos que estão acomodados em suas caixinhas brancas e organizadas que se amarrem a um cachorro, bomba incontrolável de afeto. Talvez ele coma seu sofá, ou macule sua ilusão de liberdade, talvez ele faça xixi no seu tapete persa e pule na calça intocável da sua visita, mas, se a porta do peito estiver aberta, seu coração se projetará nele, com uma intensidade que só acontece no reino a prova de razão dos bichos, o amor dos bichos, que se perdeu em nós. E será bom como se coçar ou deitar ao sol de barriga para cima. 
*
*
Este é o meu Lula, mais admirável do que muita gente.
*

Comentários

  1. Ele é lindo e doce. Eu tb tenho uma lhasa apso, que encomoda bastante, mas me traz uma felicidade que não tem preço...

    ResponderExcluir
  2. Lhasa é meio bicho de pelúcia, né? Aquela coisinha que parece brinquedo. Adoooro.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *

O fim da geração jeitinho

É difícil criticar um quadro estando dentro dele. Mas, vamos lá: eu pertenço à geração jeitinho. A uma das muitas gerações jeitinho. Fui paulatinamente estragada por um excesso aprendido de condescendência. Tenho amigos médicos, dentistas, motoristas de ônibus, publicitários, atores... nascidos e criados na cultura do jeitinho. Crescidos na catequese implacável do jeito correto de fazer as coisas, mas ouvindo, lá no fundo, o canto da sereia do jeitinho. Em caso de deslize extremo, complexo, ele estaria lá, sempre à mão e eu sempre soube: o jeitinho. Pra tudo existe um: eu me tranquilizava. O “não” é um troço elástico, manipulável. Depende de quem eu sou, quem eu conheço, da minha patente, de quanto eu tenho, do meu cargo. Sou da geração que endossa privilégios, focada em me tornar um dos privilegiados e não em acabar com eles. Tentando um emprego público para me acomodar, não para servir ao público. Olhando o serviço público com a lente distorcida do privilégio. O salário caiu na con…