Pular para o conteúdo principal

Operária

Sou culpada por cada linha que escrevo. Bem no fundo, debaixo de todas as capas e véus de autora que me disfarçam, esconde-se a operária que precisa carregar sacos de batata no porto ou abastecer diariamente uma caldeira com carvão para sentir-se digna. Eu carrego bem talhados em minhas costas os mandamentos do proletariado onde nasci. Bíblia do eterno sacrifício, da conquista pela dor, da necessidade do esforço, preferencialmente o físico. Ostento, feito tiara de ouro, minha coroa de espinhos de mártir trabalhadora. Gosto de reclamar em voz alta que virei a noite na labuta ou liquidei mais um final de semana em nome do ofício. Na lida do quebra-pedra sinto-me em paz, irmã dos meus próximos. Mas, se me enfio no ócio salutar às mentes criativas, se me entrego uma manhã inteira à contemplação da paisagem para dela extrair um poema, corro feito louca dali para o açoite. Eu engrosso a horda dos inimigos sutis dos orgasmos existenciais. Gente que olha a fartura com preconceito e acha que a pobreza lhes confere assim uma aura de profundidade. Condicionados para a escassez: se produzem fartura em suas vidas, guardam, não se permitem desfrutá-la. Eu aprendi a julgar o artista em mim culpado por sua relação direta e indissociável com o prazer. Sim, ele é o maldito dionisíaco a corromper o universo da produtividade onde o ser humano se esfola diariamente em busca de resultado. Trato meu artista com o ranço de tristeza dos pais classe média que ouvem do filho que ele quer ser ator. E assim, me incorporo solicita à boiada dos que assistem calados as verbas para a cultura irem de 0,2 para 0,06 por cento. E assinto  com o político que acha artista bonitinho feito foca e até admite que temos lá nossa função decorativa. Assim escrevo meus textos: arrastando asas coloridas de borboleta feitas de chumbo. Levo no bolso uma chave rara de abrir universos mas escolho tomar parte ao longo do aríete de derrubar porta de castelo. E chega de escrita inútil que a caldeira precisa arder. 
*
*
*

Comentários

  1. Nannuska,
    Viva sua luta de classes. E que o seu artista vença porque é ele que vem me sacudir dessa pasmaceira toda. Você é necessária!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Para o meu fantasma

Adeus e obrigada. Foi bom girar nos seus braços nesta valsa inesperada. Obrigada pela Duquesa, pela Gata Borralheira, pelo pai e pelas crianças minhas que você nem sabe que me deu. Obrigada pelo espelho onde pude pentear a minha vaidade, pelo lugar de destaque na sua corte que pude chamar de pouco. Foi doloroso ver meu tirano no seu, mas foi como um parto. Dor valiosa de onde nasci novamente. Obrigada por tudo que você nem sabe que foi. Por ter ido tão fundo em mim sem nunca ter deixado a superfície das suas vontades. Por ter me notado. Por ter chamado meu nome. Por ter evitado o meu mergulho e me devolvido a mim. Coloco este agradecimento e este adeus numa garrafa e lanço no rio de nome universo. Incógnita, me despeço. Remeto este adeus agradecido à sua alma que há de me escutar numa dimensão distante. Adeus e obrigada pelas provocações de menino, por acordar o meu menino, por dançar comigo esta dança breve, desatenta, mas necessária. Verdadeiramente, obrigada, segue seu caminho. Ab…

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *