Pular para o conteúdo principal

Pequenos Homens e Sua Obras

Nos acostumamos ao fedor. Pobre povo desprovido de indignação proativa. Povo manso, encabrestado. Dividimos entre nós a praga da baixa autoestima. No nosso jardim, todo mundo pode fazer coco. Olho pela janela: meu girassol cagado por um deputado, um senador, um ministro corrupto.  Dou um suspiro magoado e vou pegar minha pazinha de lixo, jogar aquela merda em outro lugar. Amanhã ou depois o nobre político virá baixar suas calças e deixar mais uma de suas obras em cima das minhas margaridas. No caminho, pisará nas delicadas sempre-vivas. E ele nem se dá mais ao trabalho de vir incógnito à noite. Porque para o filho da puta eu, meus filhos, minha casa, minha cidade, o tal público, existe para saciar seus instintos primitivos de macaco recente que são meter a mão, comer e botar pra fora. Depois de aliviado, como sempre, ele limpará o traseiro na minha apatia e seguirá feliz para o jardim do vizinho. Eu, para não passar atestado total de vaso sanitário, já que pertenço à elite intelectual deste país, correrei para lançar aos ouvidos do meu marido, dos amigos, postarei no blog, no Facebook, algum comentário indignado e volátil acerca da falta de caráter daquele cagão que me representa. Sim, ele me representa, como uma imagem no espelho. Ele vota em meu nome, tem procuração com plenos poderes para decidir meu destino, ele, aquele ladrão escroto,  sou eu lá.  E meu interlocutor vai ecoar sua indignação com a minha, olhando seu jardim também minado de esculturas fétidas.  Mas nossa pazinha é imensa assim como a nossa condescendência e tem sempre algum canto incólume do jardim pra onde se possa olhar. Damos comida escondido à nossa própria permissividade e, no fundo, acoitamos o cagão em nós.  E o cagão fora de nós sabe. Até criaturas medíocres como ele só precisam passar os olhos pelas páginas dos jornais onde morremos latrocinados nas ruas feito moscas, ou apodrecemos em corredores de hospitais superlotados, pra saber como somos mansos. Então, depois de amanhã, ele virá de novo, recebeu uns cargos, uns milhões e deu uma votadinha no Congresso. Nada de reformas urgentes, cruciais, para o país. Ele só desobstruiu a pauta. E como encheram sua pança em troca do voto, ele está apertado, precisando se aliviar mais uma vez. E lá vem o digníssimo esvaziar seus intestinos, não mais nas minhas flores, ele tem ganas de superar-se, de testar minha inércia, caga em minha cabeça mesmo.  Afinal de contas esta coisa inútil em cima do meu pescoço precisa ser usada. E eu vou rezar e pedir a Deus que pelo menos seja bom para o cabelo. E darei mais um suspirinho enquanto o nobre produtor de merda avança saltitante sobre as azaléias levando em uma das mãos o meu futuro e na outra um rolo de papel higiênico.
*
*
*

Comentários

  1. não devia comentar... não devia ser a interlocutora que compartilha da sua indignação e ajuda a aumentar a sua e a minha pá... pq a indignação pública e os abaixo assinados algumas vezes me irritam mais do que a própria cagada que os geram... pq nos isentam da responsabilidade... mas a questão é que não acredito mesmo que haja o que possa ser feito, a mudança não depende mais de alguém... a corrente da representatividade está quebrada, eles estão lá, distantes de mim, não me representam de fato, não temos mais essa noção e, pior, não há nada concreto que me ligue aos meus representantes, há um abismo, um vácuo entre mim e eles... e sabe o que penso disso, num âmbito mais... filosófico (?)? que talvez, qdo o mundo finalmente aceitar o feminino como algo digno, e não como algo pejorativo, a ser eliminado, inclusive entre as mulheres, talvez aí, profissões como a política (e também a medicina), deixem de ser um lugar do poder e se tornem o que devem ser: lugares para serem ocupados por seres humanos femininos, capazes de servir ao outro!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *

O fim da geração jeitinho

É difícil criticar um quadro estando dentro dele. Mas, vamos lá: eu pertenço à geração jeitinho. A uma das muitas gerações jeitinho. Fui paulatinamente estragada por um excesso aprendido de condescendência. Tenho amigos médicos, dentistas, motoristas de ônibus, publicitários, atores... nascidos e criados na cultura do jeitinho. Crescidos na catequese implacável do jeito correto de fazer as coisas, mas ouvindo, lá no fundo, o canto da sereia do jeitinho. Em caso de deslize extremo, complexo, ele estaria lá, sempre à mão e eu sempre soube: o jeitinho. Pra tudo existe um: eu me tranquilizava. O “não” é um troço elástico, manipulável. Depende de quem eu sou, quem eu conheço, da minha patente, de quanto eu tenho, do meu cargo. Sou da geração que endossa privilégios, focada em me tornar um dos privilegiados e não em acabar com eles. Tentando um emprego público para me acomodar, não para servir ao público. Olhando o serviço público com a lente distorcida do privilégio. O salário caiu na con…