Pular para o conteúdo principal

Sinto, logo existo

Penso demais. Penso até acreditar que sou aquela que pensa. Descartes me perdoe: sou mais. O pensar em excesso polui minha existência com achismos, mágoas, paranoias, delírios de grandeza que vêm dela, a senhora mente. Ela reina na existência humana e fabrica incessantemente pensamentos para controlar o mundo: teorias e verdades. Fulano é assim e assado, preciso urgentemente fazer isso, mamãe fez aquilo comigo. Enquanto vagamos hipnotizados pela mente no mundo dos pensamentos, a vida presente se esvai. Não vejo a vida acontecer no aqui e agora: o calor morno do meu corpo, o vento balançando de leve as folhinhas do flamboyant lá fora, um passarinho cantando no caos urbano, o ar frio expandindo meus pulmões, sensação de estar vivo. Nada. Vagamos no passado ou no futuro pensando. É como uma máquina que nos controla e nos ilude. E ergue castelos e barreiras em torno do ego, guarda-costas feroz da individualidade. E passamos a acreditar que o pensado é o real. Não é. O pensado passa pelo filtro dos nossos medos, das nossas defesas, da nossa raiva, está quase sempre contaminado.  Amortece em nós um saber maior que temos, que parece vir do nada e que a mente não consegue compreender com suas medidas. Saber que vem da rede infinita que formamos com todos os seres e coisas. Saber que se sente. Às vezes chamado de intuição. E segue obsessivo, o pensamento, pensando até porcarias sem tamanho, claramente doentias, que chegam a assustar. Então é demais, basta: mando o pensamento calar a boca por alguns segundos. Simples, assim. Nem quero levá-lo à terapia para entender suas razões, suas mensagens deformadas. Mando apenas que se cale, que vá assombrar porco, como dizia minha Vó.  O pensamento viciado insiste mais algumas vezes, já esvaziado do sentimento que não dei a ele. E penso sem acreditar no pensado, rindo de mim mesma e da minha coleção de pensamentos bobocas. Então ele vai murchando e finalmente some por debaixo da porta que nem fantasma. E, por alguns instantes, tudo fica luminosamente vazio, branco, cor que atribuímos à paz.
*
*
*

Comentários

  1. É. é isso!
    Tô ficando redundante dizendo que os teus textos são muito, mas muito bons, né?
    Penso, logo você existe intensa!
    Avante!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Nanna!
    Minha mente é eu estamos exatamente como seu texto. Só não estou conseguindo chegar à Paz! :(
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Chico Neto6/4/11 16:43

    Aqui, como é qe vc consegue entrar dentro de mim e descobrir meus grilos? Penso um monte de seus pensamentos também... e já que pensamos um monte de coisas parecidas, que tal um pensamento coletivo onde a gente se despensa sozinho e se repensa junto!
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Anônimo6/4/11 19:41

    eu quero a paz também! Incrível como esse texto poderia facilmente ter nascido em mim...

    ResponderExcluir
  5. Adriana Aleixo10/4/11 23:32

    Realmente ás vezes é melhor abstrair o pensamento. É melhor sentir...

    ResponderExcluir
  6. Prezada Nanna,

    Sóóciologia é a resposta.

    Bj.

    Mané

    ResponderExcluir
  7. Nossa, agora chega, vc sou eu! Nunca li tantas coisas na sequencia que eu mesma poderia ter escrito!

    Fora os pensamentos sobre cachorros e terapetuas, parecemos compartilhar todos os outros... vou parar pq cansei de ter que comentar todos os textos!

    Mas vou voltar!

    Espero que não me ache uma louca, é o blofs lunf da identificação num mundo cheio de gente que (nos meus devaneios de grandeza acho) não tem nada de interessante a compartilhar!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *

O fim da geração jeitinho

É difícil criticar um quadro estando dentro dele. Mas, vamos lá: eu pertenço à geração jeitinho. A uma das muitas gerações jeitinho. Fui paulatinamente estragada por um excesso aprendido de condescendência. Tenho amigos médicos, dentistas, motoristas de ônibus, publicitários, atores... nascidos e criados na cultura do jeitinho. Crescidos na catequese implacável do jeito correto de fazer as coisas, mas ouvindo, lá no fundo, o canto da sereia do jeitinho. Em caso de deslize extremo, complexo, ele estaria lá, sempre à mão e eu sempre soube: o jeitinho. Pra tudo existe um: eu me tranquilizava. O “não” é um troço elástico, manipulável. Depende de quem eu sou, quem eu conheço, da minha patente, de quanto eu tenho, do meu cargo. Sou da geração que endossa privilégios, focada em me tornar um dos privilegiados e não em acabar com eles. Tentando um emprego público para me acomodar, não para servir ao público. Olhando o serviço público com a lente distorcida do privilégio. O salário caiu na con…