Pular para o conteúdo principal

Anti-Prático

Ai que saudade de ter amigos por perto. Pessoas com quem nos encontramos para resolver absolutamente nada. Gente sem propósito útil na engenhoca produtiva moderna. Tipos que nos distraem. Que saudade das relações não funcionais. Aquele sujeito com quem não trabalho, não me casei, que não pari, não me pariu e mesmo assim merece algumas horas do meu dia. Amigo. Parece que a idade vai nos tornando profissionais demais para ele.  Nosso cotidiano cheio de responsabilidades só tem espaço para pessoas obrigatórias. Amigo é pessoa despropositada, não cabe na nossa agenda adulta. Sequer damos um telefonema. Porque daríamos um telefonema sem meta clara, sem necessidade objetiva? Telefonar pra dizer oi, como é que vai? Impensável em tempos de agendas sincronizadas entre celulares e notebooks e desktops. É triste mas amigo ficou anti-prático. Perturba a programação cotidiana.  Amigo não é prioridade e vivemos atolados em urgências. Seguimos rodando feito vaca no meio do ciclone e esquecemos daqueles momentos únicos, impagáveis, desopilantes, dionisíacos, de se perder em conversas fiadas, fofocas atualizadas, memórias resgatadas, risadas e risadas que são os encontros com os amigos.  Talvez uma demissão, um pé na bunda da pessoa amada, os filhos que de repente vão embora, nos façam olhar para o canteiro de amigos não regados. Eu sigo tramando cafés, almoços, como armadilhas de pegar amigos. Não é fácil mas, quando pego um ou dois, é absolutamente renovador.
*
*
*

Comentários

  1. Adorei! Está faltando o nada.

    ResponderExcluir
  2. Jussara Gonçalves9/3/11 14:30

    Gosto do que escreve Nana. Não porque escreve bem, mas porque além disto, pensa e sente o que escreve.
    Beijo, Jussara.

    ResponderExcluir
  3. A propósito, vamos tomar um café? beijos, Sandra

    ResponderExcluir
  4. Cris |(PIna)10/3/11 12:58

    Amei !!! É extamente isso a correria que mata ... mas eu sempre procuro cultivar essa relação, para a saúde feminina é fundamental, desopilar com minhas amigas.
    Obrigada Nanna, vc sempre escreve o que a gente quer dizer ... Beijos Mil
    Pina

    ResponderExcluir
  5. Eita que o café nosso hoje rendeu, hein?
    Me fez um bem danado di bão!
    É sempre um presente estar com você!
    Beijo!
    :o)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *

O fim da geração jeitinho

É difícil criticar um quadro estando dentro dele. Mas, vamos lá: eu pertenço à geração jeitinho. A uma das muitas gerações jeitinho. Fui paulatinamente estragada por um excesso aprendido de condescendência. Tenho amigos médicos, dentistas, motoristas de ônibus, publicitários, atores... nascidos e criados na cultura do jeitinho. Crescidos na catequese implacável do jeito correto de fazer as coisas, mas ouvindo, lá no fundo, o canto da sereia do jeitinho. Em caso de deslize extremo, complexo, ele estaria lá, sempre à mão e eu sempre soube: o jeitinho. Pra tudo existe um: eu me tranquilizava. O “não” é um troço elástico, manipulável. Depende de quem eu sou, quem eu conheço, da minha patente, de quanto eu tenho, do meu cargo. Sou da geração que endossa privilégios, focada em me tornar um dos privilegiados e não em acabar com eles. Tentando um emprego público para me acomodar, não para servir ao público. Olhando o serviço público com a lente distorcida do privilégio. O salário caiu na con…