Então, 2011

Chega o fim do ano e o cheiro de chuva encharca meu cérebro de memória....


Comentários

  1. Tá demais esse texto. Um quê de Clarice Lispector. Deu ao mesmo tempo uma melancoliazinha e uma esperança. Obrigada, querida, por compartir desse seu dom. Beijo.

    ResponderExcluir
  2. mais uma... acho que alguém se dividiu e reencarnou em nós duas!!! hahaha! até isso! acho que até os meus 17 anos, talvez mais, talvez menos, eu brincava de fingir que era supersticiosa e dizia para os meus amigos que se eu não visse o sol nascer no primeiro dia do ano, temia que ele não nascesse!!!! e essa adolescente que vc vê, sou eu! hahahahaha!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Para o meu fantasma

Estranha Paz