Pular para o conteúdo principal

Ensimesmou-se

Senhorita Safo irá se retirar para o oco do mundo conhecido como Minas. E decidiu silenciar um pouco. Quem não silencia, não se escuta. Fará uma breve pausa em seus arroubos literários para ensimesmar-se quem sabe se a beira de um fogão de lenha em companhia de um torresminho. E deixará as senhoras e senhores às voltas com as correrias de última hora aos shopping centers, os pernis e perus para assar, os almoços e jantares na casa da mãe, as sete ondinhas para pular, e todas estas coisas que inventamos de fazer para adornar a passagem dos anos.  Ela não irá fazer nada disso. É que nem bicho com medo de foguetório que nestas horas some. Deve dormir cedo, bem antes da meia noite. Esquisita de doer. Enquanto eu arremato 2010 e cumpro os rituais para a recepção do novo ano, ela aproveita para deixá-los em paz, ou quem sabe, com saudades, por algum tempo.  Temo que voltará com a barriga cheia de queijos e a cabeça de minhocas mineiras. Abastecida. E os safados que aqui campeiam,  que se preparem.
*
*
*

Comentários

  1. Oi Nanna!
    Que bom ler você!
    To aqui tb nessas quebranças...
    Sentindo muito calor
    suado carioca seco mineiro...
    Adorei o texto, preciso ler os outros, que estão guardados,
    Bjs
    Chico Anibal

    ResponderExcluir
  2. Sabe aquela parte "...- ela aproveita para deixá-los em paz, ou quem sabe, com saudades..."???
    Então:SAUDADES !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! NÓIS QUÉ MAIS!!!!!
    Bj
    Henrique Guerra

    ResponderExcluir
  3. Pois é, ela tá certa... que eu não to em Minas, em algum ocu, mas é como se estivesse... não fui a shopping, nem me preocupei com peru de natal, nem pernil e nem nada disso. Mas to comendo couve, giló amargo, almeirão e não escarola, angu com quiabo, lendo Adélia Prado, Guimarães Rosa e outros bichos maravilhosos das gerais, e ensimesmando-me ao passear com cachorros, conversando a lingua latida e aprendendo o que os bichos e os mineiros sempre possuem para aprender, para ensinar, calar e saber.
    Saudades,
    Beijos,
    outro Chico, também mineiro, não no Rio, mas em sumparlo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *

O fim da geração jeitinho

É difícil criticar um quadro estando dentro dele. Mas, vamos lá: eu pertenço à geração jeitinho. A uma das muitas gerações jeitinho. Fui paulatinamente estragada por um excesso aprendido de condescendência. Tenho amigos médicos, dentistas, motoristas de ônibus, publicitários, atores... nascidos e criados na cultura do jeitinho. Crescidos na catequese implacável do jeito correto de fazer as coisas, mas ouvindo, lá no fundo, o canto da sereia do jeitinho. Em caso de deslize extremo, complexo, ele estaria lá, sempre à mão e eu sempre soube: o jeitinho. Pra tudo existe um: eu me tranquilizava. O “não” é um troço elástico, manipulável. Depende de quem eu sou, quem eu conheço, da minha patente, de quanto eu tenho, do meu cargo. Sou da geração que endossa privilégios, focada em me tornar um dos privilegiados e não em acabar com eles. Tentando um emprego público para me acomodar, não para servir ao público. Olhando o serviço público com a lente distorcida do privilégio. O salário caiu na con…