Diálogos Insólitos e Cotidianos 1

Tá vendo? Aqui ó! Esses furinhos! - Sei, que que tem? - Celulite! - Ah, tá, é isso? - Olha meu rosto como tá redondo? - Redondo? - Claro, arredondou no queixo, é gordura isso. - Sei. - Não é possível que você não note. Olha aqui! Aqui ó! - Que isso, não precisa levantar a saia, olha a garçonete olhando... - É rápido, olha, aqui na coxa, na parte de dentro... - Pelo amor de Deus abaixa essa saia! - Tá ou não tá vendo?? - Tô, tô! - O quê? Tá vendo o quê? - Sei lá, meu Deus, abaixa essa saia! - Gordura localizada, minha perna vai certinha até o joelho e daí vai engrossando. Vou ficar de pé pra você ver: uma coxa fica espremida na outra! - Senta, pelo amor de Deus, senta! Olha, eu não vejo isso.  Também não vejo se você pinçou a sobrancelha ou tirou dois dedos no cabelo. Não adianta, eu não vejo. - Ah, vá! E quando passa aquela menininha de dezesseis anos de short e miniblusa, a barriga sequinha, você não olha? - Tá. Olho. Mas é o conjunto, entende, o todo. A sua gordurinha eu não vejo. Estria, então, não faço ideia do que é. Para de sofrer com isso. - Não dá, eu não posso ir pra cama com você com essa bunda cheia de furinho. E você ainda quer que maldita luz fique acesa. Parece um estádio de futebol aquele quarto! - Fala baixo... É que me excita ver. - Minha gordura te excita!? - Não é isso, e você não tá gorda. Eu sempre gostei de ver, desde a primeira vez, lembra? - Lembro. Eu era magérrima. Qualquer lingerie ficava linda em mim. Hoje... - Eu detestava aquelas lingeries. Pra que que mulher põe isso, meu Deus, aquele troço cheio de babadinho, fitinha, parece uma barraca de quermesse, aquilo. A gente nunca sabe como tirar... e tem aquelas que já vêm com um buraco. Imagina uma bala vir com um furo pra gente lamber sem tirar o papel, coisa de gente doida. - (Risada) - Eu gosto de você agora que você  usa só uma calcinha branca, básica. Eu gosto de você, entende? Eu olho pra menininha de dezesseis, não consigo evitar, mas é só um olhar. Eu gosto de você.  - Tá, tá bom. Pode pedir o pãozinho com manteiga pra mim também... Mas canoa!
*
(Inspirada em um macho amigo.)
*

Comentários

  1. Nenhum comentário? Capaz que as mulheres estejam achando que é tudo ficção...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Para o meu fantasma

Estranha Paz