Pular para o conteúdo principal

Cuidado com o Caps Lock

OUTRO DIA ESQUECI O CAPS LOCK APERTADO E MANDEI UM INOCENTE EMAIL EM CAIXA ALTA. Recebi uma resposta magoada em letras miúdas: tá gritando por quê!? Pois é. Cuidado com os emails. Cuidado com o "caps lock" que ele aproveita a distração da gente pra gritar com as pessoas. A palavra escrita é traiçoeira. Cuidado ao fazer uma ironia por email. Porque não dá pra anexar aquele seu sorrisinho de canto de boca. E se você não colocou um rs, hahaha, hehehe, pode não ter ficado claro que de fato você não acha a sua amiga uma vaca gorda. Era uma piada. Mas ela estava em dia de vaca gorda, e objetivamente, a amizade correu para o brejo. E as malditas cópias ocultas? Quer dizer que alguém quer falar algo com outro alguém e quer que você saiba, mas não quer que o outro alguém saiba que você  está sabendo. E esta criatura otimista não te avisa, ela quer que você perceba toda a complexidade de sua intenção e compreenda que está lá sim, mas oculto. Isso quando você, massacrado pelo estresse cotidiano, não seria capaz de perceber um elefante passando correndo na frente do seu carro. Num ato reflexo, certamente você e eu vamos meter a seta no "responder a todos" e revelar ao ludibriado que estávamos lá ocultos e assim jogar merda no ventiladorzinho de alguns computadores.  E no trabalho, quando copiam o email do cliente no meio de uma discussão interna? No momento em que incluíram o sujeito, o assunto era ameno, falava-se de prazos, de atender a demanda a todo custo. Mas de repente,  um honesto distraído esquece que ele está lá, no meio daquele monte de arrobas, o cliente, e sapeca uma  verdade de bastidor. Isto se não xinga o pobre coitado: esse escroto deste cliente que nunca tá satisfeito, este bosta com esta verbinha de merda que só enche o saco. E o bosta lá, copiado. Toca alguém a mandar email com o cliente descopiado e uma caixa bem alta dizendo O CLIENTE ESTÁ COPIAAADO. E haja criatividade pra desfazer o malfeito. Mas voltemos à vaca fria: cuidado com os emails. O que você escreve, definitivamente não é o que o outro lê. Há um espaço imenso de projeção naquelas entrelinhas digitalmente brancas. A pressa, por exemplo, só precisa de um empurrãozinho pra virar arrogância. Coloca lá uns "Querida" , "Eu acho", "Talvez", "Tudo bem?", "Beijinho". Não, "Beijinho" pode ficar cínico e você não é a Hebe Camargo. Enfim, leia e releia com entonações diferentes, faça um check up nos adjetivos e nos advérbios. E, definitivamente, só em caso de injúria extrema, use o "caps lock".
*
*
*

Comentários

  1. Valeu o alerta!
    Mas chamar uma amiga de vaca gorda ... nem de brincadeira!!! bjs. Adoro seus textos. Maria Eugenia

    ResponderExcluir
  2. NANNA,
    QUE TEXTO MARAVILHOSOOOOOOO!!!
    (TÁ EM CAIXA ALTA PORQUE TÔ GRITANDO MESMO). HAHAHAHAHHA!!!
    HEHEHEHEHEHEHEH!!!
    HIHIHIHIHIH!!!
    KAKAKAKAKAKAAKAKAK
    RRSRSRSRSRSRSRSRSRS!!!
    TÁ OUVINDO???
    Beijinho, sua vacona! hahahahahaha
    heheheheheheheheh
    risosrisosrisosrisosrisos
    BUUUUUUUUURRRRPPPPP! (isso foi um arroto alto).
    Hoje eu tô assim, sem graça pacas!

    ResponderExcluir
  3. hahahhahaha! estou passando mal de rir! vc, que é genial na escrita, não há de precisar de todos esses recursos frágeis da modernidade virtual! mas às vezes um "hahahaha", é fundamental!
    hahahaha! dia de vaca gorda, já não consegui parar de rir desde aí!! hahahahahaahha!
    (ontem fui encaminhar o email de um cliente para a minha assistente, e acabei respondendo ao próprio cliente dizendo: "li, esse tá mais dentro do nosso orçamento, mas não é muito bom", o cliente respondeu: "sra. Luísa, acredito que este email foi encaminhado para a pessoa errada!!!" hahahahaha!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *

O fim da geração jeitinho

É difícil criticar um quadro estando dentro dele. Mas, vamos lá: eu pertenço à geração jeitinho. A uma das muitas gerações jeitinho. Fui paulatinamente estragada por um excesso aprendido de condescendência. Tenho amigos médicos, dentistas, motoristas de ônibus, publicitários, atores... nascidos e criados na cultura do jeitinho. Crescidos na catequese implacável do jeito correto de fazer as coisas, mas ouvindo, lá no fundo, o canto da sereia do jeitinho. Em caso de deslize extremo, complexo, ele estaria lá, sempre à mão e eu sempre soube: o jeitinho. Pra tudo existe um: eu me tranquilizava. O “não” é um troço elástico, manipulável. Depende de quem eu sou, quem eu conheço, da minha patente, de quanto eu tenho, do meu cargo. Sou da geração que endossa privilégios, focada em me tornar um dos privilegiados e não em acabar com eles. Tentando um emprego público para me acomodar, não para servir ao público. Olhando o serviço público com a lente distorcida do privilégio. O salário caiu na con…