Pular para o conteúdo principal

Estúpido e urgente

A gente se distrai da gente. Basta saltar na nossa frente o que é realmente vital, espontâneo, cardíaco, que bate aquela vontade de ir fazer qualquer coisa estúpida do tipo arrumar uma gaveta. Ou então uma preguiça mórbida, um arroubo depressivo, ou uma maldita vontade de comer. É assim que faço com minha escritora. Vive à míngua, relegada a momentos improváveis do dia, descuidada. Carrega meu fogo eterno, mas mora no limbo da minha autoestima indisciplinada, permissiva. E é batata: basta surgir na minha frente a provocadora página em branco para que uma idiotice qualquer desande a me cutucar impiedosa, inadiável. Diante do divino em mim, me arreganho para todas as mediocridades do mundo. Ali dentro brilhando solene, límpido, direto, claro, o caminho querido. Desvio os olhos e lá vou eu me anestesiar. E a merda é que já vi, sempre vejo, eu sei. Mas não adianta, preciso tomar mais um cafezinho, comprar mais uma calça, gastar o teclado do celular, distrair-me do que de verdade poderia me arrancar da mesmice repetitiva e neurótica onde você e eu somos quase felizes. Ou apenas nos conformamos em boiar no mar coletivo da frustração. Onde tanta gente boia, que nos sentimos até confortáveis, acompanhados.  Eu sou assim. Covarde. Escrevo aos trancos, aos sopapos. Nas brechas, como um inseto. Uma barata que lambe naftalina e sorri. Sou ultratolerante às mediocridades cotidianas que me são impostas e absolutamente capaz de negligenciar meu sol. Tenho agenda para tudo e todos e até para zanzar absorta entre as prateleiras labirínticas de um hipermercado. Mas fujo, feito um criminoso de guerra de mergulhar naquilo que o coração me pede aos berros e a alma me prescreve cansada. Assim minha vida se esvai estupidamente. Eu podendo ter sido, podendo ter ido, e ficando. Enquanto escrevo isto, esmurrando o espelho, vasculho minhas gavetas atrás de uma pistola carregada. Deus me permita matar algo em mim esta noite, dormir ensanguentada e acordar realmente.
*
*
*

Comentários

  1. Senhorita Safo. Safada mesmo a senhora. No máximo da sua safadeza estamos nós também nos safando.
    E torcendo o tornozelo eu vou me encaminhando prá tomar um banho de mãe no rio santo e raspar os cabelos até não sobrar mais um fio desse vil ser que nos arranca de nós mesmos para, quem sabe, saber devotar-me. Mais complicado do que ser simplesmente Safo, eu sei, mas sei que dessa nova, ó dessa, intensidade, eu não me safo tão cedo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *

O fim da geração jeitinho

É difícil criticar um quadro estando dentro dele. Mas, vamos lá: eu pertenço à geração jeitinho. A uma das muitas gerações jeitinho. Fui paulatinamente estragada por um excesso aprendido de condescendência. Tenho amigos médicos, dentistas, motoristas de ônibus, publicitários, atores... nascidos e criados na cultura do jeitinho. Crescidos na catequese implacável do jeito correto de fazer as coisas, mas ouvindo, lá no fundo, o canto da sereia do jeitinho. Em caso de deslize extremo, complexo, ele estaria lá, sempre à mão e eu sempre soube: o jeitinho. Pra tudo existe um: eu me tranquilizava. O “não” é um troço elástico, manipulável. Depende de quem eu sou, quem eu conheço, da minha patente, de quanto eu tenho, do meu cargo. Sou da geração que endossa privilégios, focada em me tornar um dos privilegiados e não em acabar com eles. Tentando um emprego público para me acomodar, não para servir ao público. Olhando o serviço público com a lente distorcida do privilégio. O salário caiu na con…