Maktub

Maktub. Está escrito. Então podemos, eu e você, espernear menos, reclamar menos, vangloriar menos de nós e tentar ler...


Comentários

  1. Seus textos são de tanta inspiração que mesmo eu que te conheço há...tanto tempo...tanto tempo...mais de uma vida, quase uma eternidade, irmanadas na companhia de ir se olhando crescer e morrer e renascer pertinho uma da outra, mesmo assim me comovo e choro na frente do lap top mesmo com o cachorro lambendo meus pés e fazendo cócegas. Choro. De uma comoção de saber o que voce fala e perceber que o caminho - do árduo ao árduo, do fácil ao árduo, do árduo fácil e do fácil, fácil, nos levam. E mais uma vez, vivida a vida, te escolho por te ler, por te saber acompanhar a singeleza das palavras e também muuuitas vezes o passo pesado da yan mil vezes yan amiga lavradora de umas terras muito úmidas...quase desencarnadas de sol...quase eu-yin. Adoro confiar e saber do seu lugar onde sempre te vi sem ontem nem amanhã mas no hoje de sempre. E prá não perder a pose-máscara de sempre: texto lindo du caralho!

    ResponderExcluir
  2. Querida, está sendo muito bacana acompanhar mais de perto sua trajetória. Fiquei encantado com a simplicidade e elegância desse texto. Extremamente animador diante da Bárbarie que estamos vivendo. Amei o comentário da nossa irmã Nany; Confiamos em vc, Abre mão do nome mas não quero perder a piada: Nasce um Paulo Coelho, no melhor dos sentidos, please!!!!

    Beijos

    LAR

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Para o meu fantasma

Estranha Paz