Pular para o conteúdo principal

Para Letícias

Outra vez o homem errado. Letícia baixou a tampa do vaso sanitário e sentou-se aos prantos. O banheiro minúsculo do bar e o cheiro de mijo faziam aquele pé-na-bunda ainda mais decadente. Tentou segurar o choro, lá fora uma fila de mulheres esperava, mas não conseguiu. Foda-se, de vez em quando se permitia uma lamazinha básica. Sai dessa lama, Letícia. Brincava a irmã mais velha, muito bem casada mãe de família. É lama de Araxá, retrucava sorridente. Mas doía. Aos 34 anos estava cansada de não acertar. As esperanças de casamento, filhos, família escorriam entre seus dedos. Outro dia havia assistido na TV uma matéria assustadora sobre o cromossomo Y. Estaria se extinguindo, acabando. Os americanos, sempre os americanos, já estavam até fazendo um banco de ipsilons. A humanidade angustiada e auto-destrutiva cometia um suicídio genético. Em breve, pensou Letícia, seremos milhões de mulheres, milhões de espelhos solitários, milhões de buracos sem tampa, vagando desorientadas sobre a Terra. Alguém bateu na porta, Letícia já ouvia lá fora um zum-zum-zum incomodado. A verdade é que tinha apelado. No desespero dos 33 achou em Márcio Aurélio não um namorado ou um amante mas uma solução. Márcio Aurélio, técnico em computação, 23 anos, vivendo de bico, um garotão. Apesar de todas as placas em neon dizendo não, ela resolveu que ali estava o futuro pai dos seus filhos. Afinal, ele era simpático, trepava razoavelmente e gostava de crianças. Tempo perdido. E ainda precisou ouvir dele, num barzinho entupido de adolescentes, dele de quem ela nem gostava, do garotão: você é uma pessoa muito legal e eu não quero te fazer sofrer. Aaaaaaaaah! Esta frase deve estar em algum Manual Básico de Babaquismo Masculino. Começa sempre com este elogio hipócrita de quem vai te enfiar a faca segundos depois:"Você é muito legal". Legal o caralho. Bateram de novo na porta, desta vez com mais força. O boteco estava fervendo. Enxugou o rosto com o último papel higiênico do rolo. Abriu a porta e enfiou os olhos vermelhos no chão. Nestas horas cabelo grande é tudo. Escondeu-se atrás das mechas e nem viu a cara de irritação da mulherada. Precisava retocar a maquiagem. Márcio Aurélio não merecia o choro de Letícia. Márcio Aurélio não era nada. Ia deixar apenas o vazio reafirmado. O fundo do poço é isto: até a perda é pequena. Muito mais digno perder o grande amor da sua vida. Deus abençoe a maquiagem, o colírio e nossa capacidade de mentir. Maquiada, voltou para a mesa. Nem sentou-se e já ouvia dele: vamos pedir a conta? Letícia chamou o garçom e pediu outra cerveja. Empurrou o copo de suco ainda cheio para o meio da mesa, solicitou que o rapaz se retirasse e ficou só. Antes que o buraco frio a engolisse, o garçom colocou uma cerveja e um copo na sua frente. Era um rapaz até interessante, o garçom. E depois, lama por lama, talvez fosse a hora de afundar a cabeça de vez. Sorriu para o garçom que acabava de encher-lhe o copo de vidro. O rapaz retribuiu o sorriso com aquele ar de comedor de plantão. Letícia virou toda a cerveja num gole e foi baixando lentamente o rosto para dentro da úmida e primitiva lama.
*
*
*

Comentários

  1. Escreve o que aconteceu com a Letícia depois? Queria que ela tivesse um final feliz... hahahahaha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Teve. A pele dela ficou ótimaaaa. KKKKK.

      Excluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Para o meu fantasma

Adeus e obrigada. Foi bom girar nos seus braços nesta valsa inesperada. Obrigada pela Duquesa, pela Gata Borralheira, pelo pai e pelas crianças minhas que você nem sabe que me deu. Obrigada pelo espelho onde pude pentear a minha vaidade, pelo lugar de destaque na sua corte que pude chamar de pouco. Foi doloroso ver meu tirano no seu, mas foi como um parto. Dor valiosa de onde nasci novamente. Obrigada por tudo que você nem sabe que foi. Por ter ido tão fundo em mim sem nunca ter deixado a superfície das suas vontades. Por ter me notado. Por ter chamado meu nome. Por ter evitado o meu mergulho e me devolvido a mim. Coloco este agradecimento e este adeus numa garrafa e lanço no rio de nome universo. Incógnita, me despeço. Remeto este adeus agradecido à sua alma que há de me escutar numa dimensão distante. Adeus e obrigada pelas provocações de menino, por acordar o meu menino, por dançar comigo esta dança breve, desatenta, mas necessária. Verdadeiramente, obrigada, segue seu caminho. Ab…

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *