Só as magras e jovens são felizes

Fala-se demais em alma. Eu mesma, viro e mexo, tasco uma alma na frase. Alma é leve, é diáfana, é transcendente, é coisa de gente evoluída...


Comentários

  1. Maravilhoso.
    Jussara

    ResponderExcluir
  2. Que absurdo, Nanna.
    Me resta a esperança de achar q seja aaquela sua ironia, ou querer falar dos outros e nã de vc.
    45 anos, 58 quilos?
    Eu com 70 anos, 70 quilos, 1,60 de altuta - agora 1,58m - só me resta o precipício, né?
    ao contrário de vc, gosto do meu corpo, ainda mais depois de 4 anos de pilates e 500 de análise.
    tenho uma barriga proeminente, por causa da cerveja, mas sinto q estou prestes a largar.
    enfim, vc sp me sirpreende, né?
    para o bem e para o mal.
    bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sylvia há um verso de Goethe muito bacana assim: "De ti ao outro, um abismo fundo. Conhece-te e vive em paz com o mundo."

      Excluir
  3. Cultua-se o corpo "malhado", mas malhar? A quem você traiu? Só se foi a você mesma, não dando a devida atenção, amor e carinho a si própria! Em que parte da história você se largou? Abriu mão da sua individualidade e vontade, foi invadida e viu-se obrigada a delimitar seu espaço perdido (individualidade) com o aumento da circunferência de sua matéria (corpo), para que sua Alma também não fosse tomada? Se não nos defendemos no âmbito sutil (emocional) Yang, a matéria Yin se encarrega de fazer, assim ocorre no processo de somatizações de doenças e sobrepeso é a busca natural da homeostase. A menos que você seja um Judas, pare de se malhar e Ame-se mais, seu corpo responderá a seu contento. Bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos tentando, Tori. Desde que este texto saiu, estou mais leve e mais amada. O espelho da alma pode ser doloroso, pior que o do corpo, mas é sempre transformador. Obrigada.

      Excluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Para o meu fantasma

Estranha Paz