Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de abandono. Não pode ir até a esquina comprar biscoito que o coração da gente descompassa. Este é o amor pesado, carregado de dívidas impossíveis de pagar. E te digo na gravação do whatsapp, com a dureza de quem te ama: abraça a morte e deixa ela te levar rodando pelo salão. Solta o farrapo de afeto e se agarra à morte. E dança a última dança com a grandeza de quem honrou o amor possível, mesmo o que não teve. 
*
*
*

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Para o meu fantasma

Estranha Paz