Pular para o conteúdo principal

A Duquesa é o Máximo

Sapo Fluorescente e Raro
A princesinha é um porre. Ela quer ser convidada para o baile no palácio. Vive com o foco no palácio porque onde ela está, e pode até ser numa faculdade em Harvard, é o borralho. Ela vive aprisionada numa torre esperando o príncipe encantado. Conhece todos os tijolos da torre da neurose, não faz uma corda com os lençóis da cama e pula fora. Fica na janela de pedra fria olhando o horizonte para ver se ele aparece, o príncipe. E, de vez em quando, ele vem. Só que, muitas vezes, está fazendo outra coisa mais interessante do que se pendurar nos cabelos dela: ele não é coadjuvante do seu teatro, tem o próprio espetáculo. Ai o bicho pega e a torre se enche de abandono. A princesinha porre é dedicada à sua fantasia: passa a vida beijando o sapo pra ele, em algum momento vira príncipe. Nem enxerga o pobre sapo. Podia até ser um batráquio raro, com uma língua muito maior e mais esperta que a do príncipe. Não, não e não: quer o conto de fadas a qualquer custo. Tolera, em sua espera inútil, o sapo amaldiçoado. A princesinha é um saco. Ela fica magoadinha porque o rei a convidou sim para o baile, mas não a tirou pra dançar. Detalhe: o rei tinha acabado de voltar da guerra e se livrar de uma armadura de 40 quilos, ele estava com dor no joanete, de saco cheio e se lixando para o baile e para princesinhas. Ele só queria ter dormido cedo naquela noite.  E isto, para princesinhas, se chama: rejeição. Pronto, ela ficou deprimida, ela não vai dançar com mais ninguém, nem com o marquês que, dizem, é um senhor pé de valsa. Só a sombra do rei a faz princesinha. Ela é um saco. Mas, de repente, lá no fundo do enorme salão surge, valsando nos braços do marquês, decote generoso, sorriso espalhado na boca vermelha, a duquesa.  Já casou, já pariu, já quebrou a cara, e amadureceu, e se tornou senhora do seu desejo, do seu castelo, da sua grana. E abriu mão das ilusões de menina: está no mundo para desfrutá-lo. O rei não quer dançar? Paciência: ela quer dançar. Ficou magoadinha? Nada. Não quer um rei com cara de guerra e dor no joanete resmungando baile afora. Ela deixa o rei respirar. Ela deixa o rei ficar sozinho na sua própria torre quando ele quer. Ela não é um porre. A duquesa é o máximo.
*
Para Ivana Mihanovich, bruxa do tarot.
*
*

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *

O fim da geração jeitinho

É difícil criticar um quadro estando dentro dele. Mas, vamos lá: eu pertenço à geração jeitinho. A uma das muitas gerações jeitinho. Fui paulatinamente estragada por um excesso aprendido de condescendência. Tenho amigos médicos, dentistas, motoristas de ônibus, publicitários, atores... nascidos e criados na cultura do jeitinho. Crescidos na catequese implacável do jeito correto de fazer as coisas, mas ouvindo, lá no fundo, o canto da sereia do jeitinho. Em caso de deslize extremo, complexo, ele estaria lá, sempre à mão e eu sempre soube: o jeitinho. Pra tudo existe um: eu me tranquilizava. O “não” é um troço elástico, manipulável. Depende de quem eu sou, quem eu conheço, da minha patente, de quanto eu tenho, do meu cargo. Sou da geração que endossa privilégios, focada em me tornar um dos privilegiados e não em acabar com eles. Tentando um emprego público para me acomodar, não para servir ao público. Olhando o serviço público com a lente distorcida do privilégio. O salário caiu na con…