INSUPORTÁVEL

Tenho procurado suportar pessoas no Facebook. Preciso delas para não perder a noção do mundo. Outro dia, sem querer, uma postagem minha ficou pública. Era sobre política. Não deu cinco minutos e alguém estava me desancando pelo que escrevi. Levei um choque. De onde saiu aquela criatura? Através de que fresta desguardada ela havia se metido no meu reino maravilhoso e perfeito das certezas do Facebook? Como aquele idiota, sem classe, sem nível, sem noção havia conseguido a chave do meu bunker? Onde vivo cercada de amigos que, vá lá, estão mais à esquerda, mais à direita, mas caminham dentro dos limites suportáveis da minha visão de mundo. De onde brotou aquela excrescência xiita? Aquilo não podia haver na realidade. A simples existência daquele idiota colocou um tremor desestabilizante no meu espaço virtual. Fiquei perplexa como se estivesse caminhando pela Paulista e tomasse um murro por estar usando uma camiseta de arco-íris. Rapidamente mudei o status da postagem para amigos. Amigos, amigos, amigos! E voltei a ficar a salvo.  Apaguei os comentários do pústula e deixei tudo limpinho e não ameaçador.  Voltei à minha paz. Mas este não é o mundo: grita uma consciência insuportável debaixo das minhas costelas. Isto é só a minha ilha. O mundo pra valer está inundado por intolerantes agressivos de todas as classes e cores. Políticos intolerantes com gays. Gays intolerantes com políticos. Negros intolerantes com latinos. Latinos intolerantes com negros. E o pior, berra a desgraçada consciência: não há como salvar só a minha ilha. Vamos afundar juntos, eu e o pústula, abraçados, com as unhas cravadas nas costas um do outro. Ah, se eu pudesse eliminá-lo! Mas não posso. Não é gente, é uma crença viva, ambulante. E crenças não morrem a bala. Crenças, às vezes, se desmancham com a compaixão, o diálogo, o amor. E eu sequer consegui suportá-lo.
*
*
*

Comentários

  1. Um "amigo" das redes sociais me criticou quando falei mal do protesto da panelada... Disse que estava lá e que era um cidadão e que pagava suas contas e blá blá blá, como se eu estivesse atacando a sua integridade moral. Pra não render respondi: você estava batendo panela na minha janela e não veio tomar um café pra gente se conhecer? Ah não admito!" Nada como usar o humor para quebrar um ataque que podia terminar numa discussão interminável e resultar na "inimizade" facebookiana...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso Rafael, mil vezes o bom humor!

      Excluir
  2. Perfeito! Impressionante a intolerância. o pequeno ditador interno está mandando em muita gente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me assusta mas vou acendendo as luzes que posso.

      Excluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Para o meu fantasma

Estranha Paz