Pular para o conteúdo principal

Pior que a dengue

Zé foi a uma manifestação destas de rua, numa sexta ou num domingo, e chegou em casa com uma grave arrogância ideológica. Entrou de cabeça baixa, irritado, e foi se deitar mais cedo. A mãe estranhou: o Zé foi sempre tão divertido. Primeiro sintoma da arrogância ideológica: perda progressiva do humor. Acordou no dia seguinte cheio de olheiras e a mãe descobriu que Zé não havia pregado o olho a noite toda. Ficou com a cara colada na tela do computador comentando postagens no Facebook. Zé não podia mais ficar calado diante de tanta imbecilidade. Ele precisava desesperadamente fazer aqueles idiotas, cretinos e equivocados que ficavam falando coisas estúpidas na rede social, saírem do seu estado de torpor miserável. Segundo sintoma da arrogância ideológica: ódio súbito de quem diz algo contrário. Queimando em sua febre catequizadora, Zé varou a noite xingando desconhecidos e buscando desesperadamente parceiros de fúria. Recorreu também ao Google onde digitou palavras que reforçavam suas teses sobre a podridão que o cercava e recebeu milhares e milhares de links levando a textos que justificavam e ampliavam em muito o seu ódio aos idiotas do lado de lá. Encontrou até um artigo onde muçulmanos e judeus, juntos, concordavam com ele. Terceiro sintoma da arrogância ideológica: não se arriscar a entrar em contato com informação que possa minimamente contradizer uma certeza. Com a cabeça explodindo de verdades e ódio, Zé maquinou solitário alguma solução radical que eliminasse, ou ao menos colocasse sob controle, aquela gentinha que era responsável por sua infelicidade. Qualquer pessoa minimamente evoluída concordaria que o mundo seria muito melhor sem eles. Mas mesmo consumido pela doença, Zé acabou achando exagerado conduzir estes sujeitos e suas famílias a uma câmara de gás. Lavagem cerebral era meio antiquado. Talvez umas porradas, só pra assustar... Qualquer coisa valia, desde que o livrasse de conviver com aquele lixo de gente que ele nunca, antes da doença, havia percebido tão perto de si, tão falante, tão cheia de vontades esdrúxulas e incompreensíveis. Quarto sintoma da arrogância ideológica: perda rápida da capacidade de ponderação e conciliação. Zé cambaleou para dentro da cozinha de manhã, catatônico, e tentou cooptar a mãe para sua ira heroica e salvadora da pátria. Mas a senhora, de cima de seus muitos e calejados anos, e usando sua inequívoca autoridade materna, o arrastou até um pronto socorro onde a arrogância ideológica foi rapidamente diagnosticada.  Durante uma semana, tomou doses cavalares de humildade e choques de tolerância na testa. E só foi liberado do tratamento quando conseguiu sentar-se com um amigo que pensava muito diferente dele e conversar. A certeza da cura veio no momento em que ele, contrariado naquilo que pensava e incapaz de repassar sua convicção, fez uma piada com a ideologia do outro. A piada era uma provocação mordaz, daquelas que fazem pensar a noite no escuro do quarto, mas não era uma porrada estéril. A mãe do Zé suspirou profundo. Todos estavam salvos.
*
*
*

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *

O fim da geração jeitinho

É difícil criticar um quadro estando dentro dele. Mas, vamos lá: eu pertenço à geração jeitinho. A uma das muitas gerações jeitinho. Fui paulatinamente estragada por um excesso aprendido de condescendência. Tenho amigos médicos, dentistas, motoristas de ônibus, publicitários, atores... nascidos e criados na cultura do jeitinho. Crescidos na catequese implacável do jeito correto de fazer as coisas, mas ouvindo, lá no fundo, o canto da sereia do jeitinho. Em caso de deslize extremo, complexo, ele estaria lá, sempre à mão e eu sempre soube: o jeitinho. Pra tudo existe um: eu me tranquilizava. O “não” é um troço elástico, manipulável. Depende de quem eu sou, quem eu conheço, da minha patente, de quanto eu tenho, do meu cargo. Sou da geração que endossa privilégios, focada em me tornar um dos privilegiados e não em acabar com eles. Tentando um emprego público para me acomodar, não para servir ao público. Olhando o serviço público com a lente distorcida do privilégio. O salário caiu na con…