Pular para o conteúdo principal

Cansei de Safári


E chega o momento em que escolhemos fazer o concurso público. Na frente: o vazio, o abismo. Ao lado: os filhos. E abrimos espaço para considerações antes dolorosas. Estamos menos heroicos e menos dispostos, e a dor foi mudando de endereço. A fama e a riqueza não compareceram nesta encarnação e começamos a duvidar que aquele prêmio da loteria possa mesmo cair no nosso colo. E nós, que nos pretendíamos um quadro de Gaudi, passamos a considerar as delícias de ser um porta-retrato, quem sabe um grampeador. A estabilidade vai crescendo em nosso sonho como trepadeira no verão. Uma sala com paredes descascadas, pedacinho nada glamouroso de concreto, mas onde se possa simplesmente permanecer fazendo algo deliciosamente simples e burocrático. Juntar papéis, preencher fichas, analisar documentos, digitar dados, fazer cópias numa monótona máquina de Xerox que canta sua musiquinha repetitiva.  Porque chega o momento em que este negócio de matar um leão por dia fica chato e você descobre que a vida não é um safári ou, pelo menos, que não é esta a sua proposta, mesmo que você atire bem. E, na verdade, você só quer fazer algo direito e não melhor do que todo mundo nem a melhor coisa do mundo para se sentir seguro e necessário. E até a palavra criativo começa a te irritar. E você pensa que,  escondido atrás de uma mesinha no serviço público, você seria feliz e seu horário de trabalho não seria uma incógnita, nem os recursos da sua conta bancária e até haveria mais tempo para escrever poemas, contos e peças de teatro. Chega o momento em que a antiquada faixa de funcionário público, manchada de preconceitos, começa a combinar direitinho com suas roupas descoladas e o aplauso seduz menos que o sossego. E o verbo acomodar não assusta mais. Chega o tempo que você nunca imaginou que chegaria porque esta vida é surpreendente. E você se socorre na eternidade de um funcionário público: 

"Tive ouro, tive gado, tive fazendas.
Hoje sou funcionário público.
Itabira é apenas uma fotografia na parede.
Mas como dói!"
Drummond
*
*
*

Comentários

  1. Amiga, vivemos momentos muito semelhantes, pena que nascemos aqui neste Brasuca, em outro lugar seríamos muito mais valorizadas. E aquele nosso café?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lu, manda seu celular que combinamos este café pra já. Bjooo

      Excluir
  2. hahahahaha! nunca tinha pensado nisso para me resguardar! eles foram funcionários públicos! todos eles, os poetas do passado! não existia isso de "profissão: poeta!" eram médicos, fiscais, desembargadores, diplomatas, até os jornalistas tinham outra profissão, ou melhor dizendo, tinham uma profissão, pq jornalismo não era profissão! hahhaha! talvez por isso tenham sido geniais! por, como vc disse, terem tido tempo para escreverem seus poemas e afins. tempo e descomprometimento com prazos e cachês...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Luisa. Me caiu a ficha agora. Quero ser fiscal de qualquer coisa, fiscal da natureza seria ótimo.

      Excluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Para o meu fantasma

Adeus e obrigada. Foi bom girar nos seus braços nesta valsa inesperada. Obrigada pela Duquesa, pela Gata Borralheira, pelo pai e pelas crianças minhas que você nem sabe que me deu. Obrigada pelo espelho onde pude pentear a minha vaidade, pelo lugar de destaque na sua corte que pude chamar de pouco. Foi doloroso ver meu tirano no seu, mas foi como um parto. Dor valiosa de onde nasci novamente. Obrigada por tudo que você nem sabe que foi. Por ter ido tão fundo em mim sem nunca ter deixado a superfície das suas vontades. Por ter me notado. Por ter chamado meu nome. Por ter evitado o meu mergulho e me devolvido a mim. Coloco este agradecimento e este adeus numa garrafa e lanço no rio de nome universo. Incógnita, me despeço. Remeto este adeus agradecido à sua alma que há de me escutar numa dimensão distante. Adeus e obrigada pelas provocações de menino, por acordar o meu menino, por dançar comigo esta dança breve, desatenta, mas necessária. Verdadeiramente, obrigada, segue seu caminho. Ab…

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *