Pular para o conteúdo principal

Amor Cruel

Sampo Kaikkonen
http://sampokaikkonen.com/gallery/?year=2005 
A vida é cruel e eu tenho a alma romântica.  Acredito, no fundo, que o bem prevalecerá e que a bondade há de me salvar. Papagaices cristãs. A vida, em seu fluxo inexorável, é cruel e tem sua lógica intrínseca que transborda a compreensão humana. Segue feito enxurrada obediente às curvas do planeta arrastando tudo. De repente uma mulher jovem e boa tem um linfoma, está grávida de um menino, e luta com coragem e bom humor pela vida, e acredita na vida, mas, nascida a criança, é vencida pelo câncer e morre. Vejo suas fotos, sempre sorridente, abraçada aos filhos, o que nasceu e o outro de quatro anos, e recorro aos meus livros de contos de fadas para entender  como pode morrer a princesinha? Como, se fez tudo certo? Se comeu direitinho, se fez terapia,  se descansou, se conversou com Deus, se pediu perdão  e implorou em nome dos pequenos filhos? Nenhum final feliz vem  em meu socorro. A vida é cruel e somos atores descartáveis em sua ópera. Inocentes são ceifados diariamente, a despeito de todo o bem que fizeram. A vida não se importa. Manda a natureza nos tratar como o que somos: bichos. Morremos como formigas acidentalmente atropeladas pela roda do carro.  Esta, a crueldade da vida contra minha alma romântica. Viver é agora, é por enquanto, não há âncoras que me prendam, não há garantias, não há futuro. Entrego-me à finitude. Fria de pavor. Sou também esta carne temporária, este olhar temporário, esta expressão temporária no mundo, e o tempo não me pertence. Acima da altiva cabeça humana, as Moiras tecem o fio da vida, alheias às minhas idiossincrasias. Nem a Zeus devem obediência. E quando não sei, Átropos tranquilamente, sem alarde, sem sofrimento, levará ao fio sua tesoura, como qualquer velha tricoteira absorta numa tarefa diária, e acabará esta minha vida. Olho ao redor: o sol nas árvores, o pássaro colorido sobre o telhado do vizinho, meu cachorro late, a voz do meu filho ao longe, vida amada, adorada, respiro mais fundo este ar que agora tem gosto e abraço furiosamente o presente.
*
Para Elaine César, que não conheci mas me ensinou.
http://elainecesar.blogspot.com/
*
*

Comentários

  1. Eis que estou a chorar... Lindíssimo!!! Beijinho...

    ResponderExcluir
  2. Conheci Elaine Cesar há muitos anos, deveria ter 25. Era doce, suave . O rumo de cada uma de nós seguiu caminhos diferentes apesar de estarmos no mesmo meio.
    Vez ou outra tinha notícia dela do tipo: casou, descasou, está dirijindo, está trabalhando com teatro. Ano passado passeando pelo Facebook de um amigo em comum vi fotos dela e percebi o câncer pois ela estava sem cabelo, mas parecia forte. Depois ouvi comentários sobre a luta pelo convívio do filho.
    Semana passada soube que estava pedindo doação de sangue, estava me preparando para ir doar qdo veio a notícia de sua partida. A história de Elaine tem lacunas ,me deixou como você Nanna. Comecei então a ler o Blog dela , preciso entender melhor e viver a experiência dela. A experiência alheia nos ensina muito .Sugiro você postar este texto lindo no blog dela, como uma homenagem `a guerreira Elaine.

    ResponderExcluir
  3. Você assistiu A Árvore da Vida, Nanna? O filme me fez compreender algo que eu nem sabia que queria entender. E quando me pergunto, hoje, qual é a importância da vida humanada (seja a de uma mãe ou a de um milhão de africaninhos) em um universo de tantos bilhões de idade e tamanhos, a resposta que entendo é tão simples e tão devastadora... Importamos tanto quanto um verme amarelo, ou uma estrela gigante vermelha. Somos tudo a mesma coisa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Leo querido, maravilhosamente é isto mesmo. Vou ver o filme. Beijos.

      Excluir
  4. Hi,

    I noticed that you have used my painting "Three Fates" on your blog. You may use the photo but please include my name and preferably a link to my website along with it. Thanks!

    Best regards,
    Sampo Kaikkonen
    http://sampokaikkonen.com/gallery/?year=2005

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hello! I m really sorry. I use to include the autors in the pictures but sometimes i don t find the names. Thank you very much for your generosity. Congratulations for your big talent. A big kiss.

      Excluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Para o meu fantasma

Adeus e obrigada. Foi bom girar nos seus braços nesta valsa inesperada. Obrigada pela Duquesa, pela Gata Borralheira, pelo pai e pelas crianças minhas que você nem sabe que me deu. Obrigada pelo espelho onde pude pentear a minha vaidade, pelo lugar de destaque na sua corte que pude chamar de pouco. Foi doloroso ver meu tirano no seu, mas foi como um parto. Dor valiosa de onde nasci novamente. Obrigada por tudo que você nem sabe que foi. Por ter ido tão fundo em mim sem nunca ter deixado a superfície das suas vontades. Por ter me notado. Por ter chamado meu nome. Por ter evitado o meu mergulho e me devolvido a mim. Coloco este agradecimento e este adeus numa garrafa e lanço no rio de nome universo. Incógnita, me despeço. Remeto este adeus agradecido à sua alma que há de me escutar numa dimensão distante. Adeus e obrigada pelas provocações de menino, por acordar o meu menino, por dançar comigo esta dança breve, desatenta, mas necessária. Verdadeiramente, obrigada, segue seu caminho. Ab…

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *